A Crise. Ansiedade, Medos e Preocupações Financeiras. O que Fazer?

 

A ansiedade é uma reação normal do nosso organismo diante de ameaças reais (ou imaginárias), e também é fruto de preocupações. Porém, ansiedade a partir de certo ponto, pode já ser uma doença, e são muitas pessoas que sofrem deste mal.

 

O termo mais próximo para Ansiedade é Medo.

 

É verdade que vivemos dias muito difíceis, e a situação atual no Brasil é um ambiente bastante propício para que a ansiedade se manifeste.

 

Preocupações financeiras, dívidas, problemas conjugais, familiares envolvidos com drogas, processos judiciais, litígios entre vizinhos, e até mesmo conflitos pessoais dentro das igreja são situações que frequentemente suscitam a ansiedade.

 

Neste breve artigo, trataremos sobre a ansiedade em razão das preocupações financeiras.

 

A Crise no Brasil

 

Ouvimos pela mídia, a todo tempo, que estamos vivendo em uma grave crise econômica e financeira no Brasil. Embora isto seja um fato real, não podemos lidar com a ansiedade da mesma forma como o mundo lida com a ansiedade, com insegurança e com medo.

 

“Teve Paulo durante a noite uma visão em que o Senhor lhe disse: Não temas; pelo contrário, fala e não te cales; porquanto eu estou contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho muito povo nesta cidade.” Atos 18:9,10

 

O Apóstolo Paulo havia deixado Atenas (a Capital da Grécia Antiga) e partiu para a cidade de Corinto (outra cidade grega), tendo recebido do Senhor a visão acima citada.

 

Observemos, atentamente, o que Senhor Jesus disse a Paulo: “pois tenho muito povo nesta cidade”.

 

Deus tem cuidado com o seu povo e sabe que precisamos comer, nos vestir, morar, pagar contas, dentre outras despesas mais que requererão dinheiro a fim de que possamos ter nossas necessidades supridas.

 

Assim como em Corinto, ou em Atenas, ou em Roma, como nas cidades brasileiras, Deus tem muito povo nestas cidades e em incontáveis outras no mundo inteiro.

 

Aconteça o que acontecer no Brasil, sabemos pelas Escrituras que Deus tem muito povo no Brasil. E Deus jamais deixará de nos socorrer e suprir todas as nossas necessidades, pois ele prometeu:

 

“Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.” Hebreus 13:5

 

Sendo assim, não devemos, lidar com as preocupações financeiras do mesmo modo que o mundo lida, pois assim nos é ordenado pelo Senhor Jesus, quando ele diz:

 

“Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal.” Mateus 6:25-34

 

Miseráveis, espiritualmente desgraçados e expostos à toda sorte de dificuldades e incertezas estão todas as pessoas que estão sem Deus, a saber, os que não crêem no Senhor Jesus Cristo. Estas sim, se atormentam com muitas preocupações, se desesperam, outras até mesmo se matam, em razão da ansiedade, da insegurança e dos medos. Mas não é este o nosso caso, se já nos entregamos ao Senhor Jesus Cristo, confiando a ele todas as nossas necessidades.

 

As palavras que diz o Senhor Jesus em Mateus 6:25-34 não são para ser simplesmente lidas e admiradas. É preciso que as ponhamos em prática, vivendo exatamente como ele diz: “Não andeis ansiosos pela vossa vida”.

 

Notemos, entretanto, que existe um requisito fundamental para que estas palavras de Cristo se cumpram em nossas vidas, e este requisito é a fé!

 

Observemos, ainda, que o Senhor chega mesmo a repreender seus discípulos, chamando-os de homens de pequena fé. Sendo assim, sem a fé em Deus, sem a confiança nele, não conseguiremos vencer coisa alguma. Sem fé, fracassaremos. Como também está escrito:

 

“Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos.” Tiago 1: 5-8

 

E ainda:

 

“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:6

 

 

Não Negocie com Deus!

 

Não é do desconhecimento de muitos que vários lobos vestidos de ovelhas têm se multiplicado por toda parte, prometendo dinheiro, prosperidade e até riquezas, desde que você compareça à igreja deles e deixe lá o seu dinheiro.

 

Muitos desses homens promovem “campanhas de prosperidade”, “correntes pela vida financeira”, e coisas semelhantes, seja pelo rádio, Internet ou pela televisão, convidando pessoas a participarem destas coisas. Muitos deles chegam a afirmar que a condição para que você seja abençoado é “dando sua oferta, ou o dízimo, e então, e somente assim, Deus lhe abençoará”. Não acreditem nesses homens e não os sigam!

 

Vejamos o que o Senhor Jesus Cristo tem a dizer sobre isto. Leiamos com calma e atenção o trecho bíblico a seguir.

 

“Depois destas coisas, atravessou Jesus o mar da Galiléia, que é o de Tiberíades. Seguia-o numerosa multidão, porque tinham visto os sinais que ele fazia na cura dos enfermos. Então, subiu Jesus ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos. Ora, a Páscoa, festa dos judeus, estava próxima. Então, Jesus, erguendo os olhos e vendo que grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pães para lhes dar a comer? Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que estava para fazer. Respondeu-lhe Filipe: Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu pedaço.

Um de seus discípulos, chamado André, irmão de Simão Pedro, informou a Jesus: Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas isto que é para tanta gente? Disse Jesus: Fazei o povo assentar-se; pois havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. E, quando já estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca.

Assim, pois, o fizeram e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que haviam comido. Vendo, pois, os homens o sinal que Jesus fizera, disseram: Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo.

Sabendo, pois, Jesus que estavam para vir com o intuito de arrebatá-lo para o proclamarem rei, retirou-se novamente, sozinho, para o monte.

Ao descambar o dia, os seus discípulos desceram para o mar. E, tomando um barco, passaram para o outro lado, rumo a Cafarnaum.

Já se fazia escuro, e Jesus ainda não viera ter com eles. E o mar começava a empolar-se, agitado por vento rijo que soprava. Tendo navegado uns vinte e cinco a trinta estádios, eis que viram Jesus andando por sobre o mar, aproximando-se do barco; e ficaram possuídos de temor. Mas Jesus lhes disse: Sou eu. Não temais! Então, eles, de bom grado, o receberam, e logo o barco chegou ao seu destino.

No dia seguinte, a multidão que ficara do outro lado do mar notou que ali não havia senão um pequeno barco e que Jesus não embarcara nele com seus discípulos, tendo estes partido sós. Entretanto, outros barquinhos chegaram de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, tendo o Senhor dado graças. Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura. E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo.” João 6:1-27

 

O primeiro motivo para buscarmos a Deus é para a salvação das nossas almas. “Salvação de que?”, alguns perguntam, a resposta bíblica é: Salvação dos nossos pecados e salvação da condenação do Inferno.

 

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe, desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo. Mas José, seu esposo, sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente. Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” Mateus 1:18-21

 

“Portanto, se a tua mão ou o teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida manco ou aleijado do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno de fogo.” Mateus 18:8,9

 

A partir da verdadeira conversão ao Senhor Jesus Cristo, o que somente se dá pelo novo nascimento, passamos a pertencer e a conhecer a Deus. Com o passar do tempo, mais e mais o amamos e o adoramos pela beleza de seu caráter, pela grandeza das suas misericórdias e pela sua imensa e infinita bondade.

 

O que Deus mais deseja é se relacionar conosco, em Cristo, em uma relação paternal e carinhosa. Nosso relacionamento com Deus precisa estar centrado na pessoa de Cristo, em nossa comunhão com ele, diariamente, em uma relação cheia de ternura e de afetos amorosos. Não em uma relação de trocas financeiras como muitos falsos mestres ensinam.

 

É verdade que existem pastores, bispos e presbíteros que nos convidam para campanhas e correntes nas igrejas para que a nossa vida financeira seja abençoada. E alguns o fazem em verdadeira sinceridade. O problema não são as reuniões e cultos voltados para pedidos específicos, mas sim saber a intenção do coração desses homens, e também o objetivo de quem vai às igrejas em busca dos favores de Deus, seja na vida financeira, ou em qualquer outra área de nossa existência. Porém, repito: Tudo o que Deus nos dá é pela graça, por sua bondade e generosidade, de modo nenhum por barganhas ou por trocas!

 

Deus nos ensina sobre como devemos lidar corretamente com o dinheiro no Reino de Deus.

 

“Honra ao SENHOR com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares.” Provérbios 3:9,10

 

E também:

 

“Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria. Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra, como está escrito: Distribuiu, deu aos pobres, a sua justiça permanece para sempre. Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.”  2 Coríntios 9:8-11

 

É verdade que Deus nos abençoa financeiramente quando, pela fé, colocamos em prática o que está nos trechos bíblicos acima citados. Porém, e atenção! Não se trata de barganhas com Deus, mas de Deus aumentar as nossas provisões, em todos os sentidos, espirituais e materiais, a fim de que cada vez mais possamos ser frutíferos e abundantes na obra de Deus. E também para o suprimento de todas as nossas próprias necessidades.

 

O objetivo principal, entretanto, é o nosso relacionamento com Deus e nossa relação amorosa com o Senhor Jesus Cristo. E nunca jamais nos esquecendo que tudo o que Deus nos concede, ele o faz por causa do sacrifício do seu Filho Unigênito, o Senhor Jesus. Lembremo-nos, sempre, da Cruz de Cristo.

 

“Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.” 1 Coríntios 15:3,4

 

Façam como o Senhor Jesus ensina, e sua vida será muito melhor, seus dias serão menos sobrecarregados e você poderá se dedicar muito mais aos interesses de Cristo do que desperdiçando seu tempo e energia física, mental e emocional, atormentandos-se em razão da ansiedade!

 

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.”

 

Leia também: Afinal de contas, devem ou não os Cristãos dar o Dízimo?

 


 

 

Home