Era Madre Teresa de Calcutá uma Cristã Verdadeira?

“É verdade que já estamos sendo ajudados por nossa grande devoção a Maria. Ela é nossa Padroeira e nossa Mãe, e ela está sempre nos conduzindo a Jesus. Ela nos mostrou tantos belos caminhos para trazer Jesus mesmo para dentro de corações de Hindus e Muçulmanos e Budistas, pela presença dela e pelo seu amor em nossas vidas” (Madre Teresa de Calcutá, Be Holy, p. 75)

 

Vaticano vai canonizar Madre Teresa de Calcutá


"Após reconhecer cura de engenheiro brasileiro com tumores no cérebro, Santa Sé se prepara para declarar religiosa Nobel da Paz como santa." (Fonte: Web News)

 

Quem era Teresa de Calcutá? Era uma Cristã verdadeira?

 

Agness Gonxha Bojaxhiu, conhecida como Mãe Teresa de Calcutá, nasceu na antiga Albânia, em 27 de agosto de 1910. Em 6 de janeiro de 1927, sendo então freira, se estabeleceu na Índia onde iniciou um movimento de caridade o qual é hoje a organização internacional Missionários da Caridade. Foi honrada pelo mundo quando em 1979 recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

 

Em 1980 foi-lhe conferida a mais elevada condecoração da Índia, o Bharat Ratna e em outubro de 1985 foi calorosamente ovacionada na celebração do Quadragésimo Aniversário das Nações Unidas.

 

"E disse-lhes: Vós sois os que vos justificais a vós mesmos diante dos homens, mas Deus conhece os vossos corações, porque o que entre os homens é elevado, perante Deus é abominação" Senhor Jesus Cristo, Lucas 16:15

"Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia" Senhor Jesus Cristo, João 15:19

 

E como não poderia deixar de ser, em 1971 recebeu o Prêmio da Paz Papa João XXIII. Evidentemente que seus patrocinadores não a deixariam de honrar. Recebeu ainda muito dinheiro de doações que lhe foram feitas de todos os cantos da terra. Com sua popularidade junto à Mídia e junto a governantes influentes e poderosos, Agness Gonxha (a Madre Teresa) pôde, seguramente, arrecadar fortunas. Para onde foi todo esse dinheiro? Certamente, este é mais um dos ditos "Segredos do Vaticano".

Agness Bojaxhiu (Madre Teresa) trabalhou em Katmandu, no Nepal pertencendo a uma organização chamada de Irmãs da Caridade. A localidade escolhida no Nepal para abrigar as Irmãs da Caridade foi a região considerada como a mais sagrada do Nepal. Uma região onde se encontra um templo hindu coberto por estátuas de Shiva e de outros deuses do Hinduísmo. A área fica próxima do rio Bagmati, considerado sagrado pelo Hinduísmo. Muitos hindus no Nepal acreditam que se morrerem nesse local, que consideram sagrado, isso lhes ajudará a se livrar dos ciclos reencarnacionistas os quais acreditam estar cumprindo (Karma), especialmente se morrerem molhados com as águas do tal rio.

 

O rio Bagmati desce das montanhas do Himalaia através do Nepal e, posteriormente, se junta ao, também "sagrado" rio Ganges. Anualmente, mais de 35 000 cadáveres são queimados em enormes piras ardentes e suas cinzas são lançadas no Ganges. Devido à crença de que esse rio purifica a alma e coopera para que se livrem dos Karmas (reencarnações), os restos queimados dos cadáveres são lançados no Ganges. E, para muitos, a gordura humana que escorre das fogueiras com corpos cremados empilhados, e que escorre para dentro do rio, tem um maior poder de purificação das almas que, segundo o Hinduísmo, reencarnam em ciclos.

Nessa mesma área onde trabalhavam as Irmãs da Caridade, há uma enorme imagem de um Touro de Ouro, o qual é considerado "super sagrado" pelos hindus, a ponto de não ser permitido a não hindus adentrarem no templo hindu onde fica a imagem.

Em 23 de novembro de 1984, foi gravada uma entrevista com uma das responsáveis pela organização Irmãs da Caridade, em Katmandu, a "Irmã Ana", a qual supervisionava a alimentação e a atenção médica a velhos e a mendigos que aguardavam a morte à beira do "sagrado" rio Bagmati. A entrevista foi conduzida por um casal de missionários, David e Linda Claud. (David W. Cloud, Is Mother Teresa a True Christian, Way of Life Literature, 1219 N. Harns Rd., Oak Harbor, WA 98277)

Eis um trecho da entrevista:
.

Cloud: "Você acredita que se essas pessoas morrerem acreditando em Shiva ou em Ram elas irão para o céu?"

Irmã Ana: "Sim, essa é a fé deles. Minha própria fé me levará a Deus, não? Então, se eles tiverem acreditado em seu deus, firmemente, se tiverem fé, certamente irão para o céu"

Cloud: "Você acredita que Maria é a Mãe de Deus?"

Irmã Ana: "Sim"

Cloud: "Quando você morrer, você mesma, o que sucederá a você?"

Irmã Ana: "Eu não irei para o Inferno. Talvez por algum tempo eu esteja no Purgatório. Porque todos nós temos imperfeições. Embora sejamos freiras, nós somos religiosas, não temos nenhum escandaloso pecado, mas algum pecado."

Vejamos uma frase dita pela própria Madre Teresa de Calcutá, a líder das Irmãs da Caridade:

“Podemos nos tornar um Hindu melhor, um Muçulmano melhor, um Católico melhor” (Madre Teresa de Calcutá, Her People and Her Work, by Desmond Doig).

Teresa de Calcutá acreditava (e ensinava) que todos os homens são filhos de Deus. Em um discurso nas Nações Unidas, em outubro de 1985, ela afirmou: "Nós nos reunimos para agradecer a Deus pelos 40 anos de belo trabalho das Nações Unidas pelo bem das pessoas. Nenhuma cor, nenhuma religião deve nos separar, somos todos filhos de Deus". "Quando se comete um aborto, destruindo uma criança que ainda não nasceu, estamos destruindo Deus." (Christian News, Nov. 11, 1985, p. 17).

Nada mais de acordo com os ensinamentos do Movimento Ocultista Nova Era (New Age Movement) o qual afirma que: "Tudo é Deus, o universo é Deus, o homem é Deus", ensino emprestado do Hinduísmo: "Atman é Brahman".

Teresa de Calcutá foi uma seguidora da Igreja Católica Romana, fiel a toda a doutrina católica, considerava-se filha de Maria (para ela a Mãe de Deus e da Humanidade), e a despeito de suas atividades em caridade, muito bem exploradas e manipuladas pela Mídia Católica, a Mãe de Calcutá não seguia ao Senhor Jesus Cristo. Era uma pobre (em todos os sentidos concebíveis) infeliz e marionete da Roma Papal e coadjuvante da promoção do Movimento Nova Era. Eis porque, com frequência, Madre Teresa figura em sites esotéricos e é citada em reuniões do Universalismo Ecumênico do Diabo.

Em 19 de outubro de 2003 a falecida Mãe Teresa de Calcutá foi beatificada pela Igreja Católica Apóstata Romana.

 

"Nós detemos sobre esta terra o lugar do Deus Todo-Poderoso"

-Papa Leão XIII-

From Cited in Double Cross by Chick Publications, p. 27
quoting THE GREAT ENCYCLICAL LETTERS OF POPE LEO XIII
p. 304, Benziger Brothers (1903)

 

O Exorcismo de Madre Teresa de Calcutá

 

 

“O exorcismo aconteceu em um hospital para onde Madre Teresa de Calcutá havia sido levada devido a problemas cardíacos, disse o Arcebispo de Calcutá Henry D’Souza. Ele disse que notou que enquanto calma durante o dia, à noite Madre Teresa parecia “extremamente agitada”. D”souza afirmou que Madre Teresa chegava a arrancar fios e outros aparatos de aparelhos de monitorização acoplados a seu corpo. Disse ele ainda que era quando acreditava que Madre Teresa podia “estar debaixo do ataque do mal”. D’Souza sugeriu a Madre Teresa que a mesma fosse submetida a um exorcismo, e ela concordou”.

 

 

Para quem conhece a devassidão da apostasia da Igreja Católica Romana, não é nada curioso que uma das mais importantes figuras do catolicismo no mundo, candidata à canonização – Madre Teresa de Calcutá (na foto com Danielle Duvalier, esposa de Jean-Claude Duvalier, o "Baby"-Doc, um dos ditadores mais sanguinários da História) – ao invés de proferir uma prece cristã, tenha entoado uma adaptação de um antigo mantra dos Upanishads (tratados monísticos das doutrinas secretas hindus de 800-600 AC), modificado pelo ambientalista e monge Jainista Satish Kumar. O mantra original diz: ‘Leve-me do irreal para o real! Leve-me da escuridão para a luz! Leve-me da morte para a imortalidade’.

 

A Mãe dos Cristão é a Nova Jerusalém

 

Segundo as Escrituras de Deus, a Bíblia, nem Madre (em Italiano = mãe) Teresa de Calcutá, e nem Maria, é nossa mãe. Segundo as Escrituras, eis a nossa Mãe:

 

"Estas coisas são alegóricas; porque estas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Agar. Ora, Agar é o monte Sinai, na Arábia, e corresponde à Jerusalém atual, que está em escravidão com seus filhos. Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe; porque está escrito: Alegra-te, ó estéril, que não dás à luz, exulta e clama, tu que não estás de parto; porque são mais numerosos os filhos da abandonada que os da que tem marido. Vós, porém, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque." Gálatas 4:24-28

 

 

Artigo relacionado: Catolicismo Romano

 


 

 

Home