Albert Einstein

Sabedoria e Loucura

Se alguém se propuser a realizar uma pesquisa em uma universidade e o questionário contiver alguma pergunta do tipo: Nomeie dez homens inteligentes na História, muito provavelmente, com elevada freqüência, aparecerá o nome do cientista Albert Einstein.
Freqüentemente o nome deste falecido cientista judeu, elaborador da famosa teoria da relatividade, é associado á inteligência, ou é mesmo uma espécie de sinônimo para inteligência. Embora Einstein tenha colaborado para o desenvolvimento da física, era este indivíduo realmente um sábio diante de Deus?
Vamos aqui analisar uma de suas mais conhecidas afirmações:

"Foi, é claro, uma mentira o que vocês leram a respeito de minhas convicções religiosas. Uma mentira que está sendo sistematicamente repetida. Eu não acredito em um Deus pessoal, e eu nunca o neguei, mas tenho-o expressado claramente. Se há algo em mim que possa ser chamado de religioso, então isto é a ilimitada admiração pela estrutura do cosmos; até onde a nossa ciência o possa revelar." -- Albert Einstein, 1954, from Albert Einstein: The Human Side, edited by Helen Dukas and Banesh Hoffman, Princeton University Press.

Esta declaração de Albert Einstein pode parecer, à primeira vista, um tanto inofensiva. Contudo, trata-se ali de uma escancarada afirmação ateísta e nociva daquele famoso cientista. Por mais ilustre que Einstein possa ter sido diante deste mundo incrédulo, toda sua ilustração não anula a influência da nocividade que suas afirmações ateístas tiveram sobre o mundo. Suas declarações tiveram peso por algumas razões específicas:

- Einstein era judeu, logo, recebeu ensinamentos sobre a pessoa de Deus (todos os judeus recebem).
- Dotado de inquestionável inteligência e apto para avaliar sobriamente a magnífica criação de Deus, preferiu se voltar para os lados da concepção humana, ao invés de se voltar para a Fé que reconhece um Deus pessoal como o Soberano Criador dos céus e da terra.
- Sendo já uma figura conhecida, declarou abertamente não crer em Deus, assim influenciando direta e indiretamente a muitos com suas afirmações ateístas.

Sem dúvida, Albert Einstein foi um homem possuidor de elaborada cultura secular (humana), porém um autêntico ignorante no que diz respeito ao conhecimento de Deus.
Suas afirmações têm, já por muito tempo, influenciado negativamente as mentes e os corações de gerações. Einstein era um sábio aos olhos do mundo, porém um louco aos olhos de Deus. E é este tipo de gente que o mundo idolatra.
Deus declarou que nunca jamais haveria alguém tão sábio como o rei Salomão. Salomão foi o maior sábio dentre os homens (evidentemente, porém, Jesus era superior a Salomão, pois toda a sabedoria de Salomão provinha do Espírito de Jesus). Salomão era um sábio inigualável, e declarou:

"Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes em teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas." Provérbios 4:5,6

Este sim é um verdadeiro exemplo de um autêntico sábio.
Muitos homens são louvados e mesmo idolatrados por este mundo rebelde diante de Deus. Mas o reconhecimento do exemplo de homens como Salomão é que tem o poder de influenciar beneficamente nossas almas, e não afirmações ateístas, venham elas de onde quer que seja.
Outro caso negativo, esse também bastante conhecido, é o do chamado filósofo alemão Friedrich Nietzsche, que asseverou o seguinte:

"Deus, imortalidade da alma, redenção, além; sem exceção, conceitos para os quais eu jamais devotei qualquer atenção, ou tempo, nem mesmo quando criança. Terá sido porque eu jamais fui suficientemente infantil para elas?...Deus é uma resposta bruta, uma indelicadeza contra nós pensadores; no fundo uma bruta proibição para nós: você não deve pensar!" Friedrich Nietzsche, Ecce Homo, Walter Kaufmann transl.

E esse filósofo, comprovadamente um desequilibrado mental, até hoje influencia escolas e universidades com suas idéias loucas sobre Deus.
São estes os homens que este mundo rebelde e enlouquecido chama de sábios.
Fica ainda mais fácil de se entender porque Deus advertiu os homens em Tiago 3:13-15 :


"Quem entre vós é sábio e entendido? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca."

É necessário cuidado com o que lemos e com o que ouvimos, pois este mundo reconhece como sábios e importantes homens como Einstein e Nietzsche, porém despreza o Autor de toda a Sabedoria, o Senhor Jesus Cristo.


"Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são por isso indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos" Romanos 1:20-22

 


 

 

Home