Homossexuais, o que Deus tem a dizer? Deus ama os Homossexuais. E o Movimento anti-Homofobia os odeia.

“Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou para sua exclusiva autoridade; mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” Atos 1:6-8

 

Já recebi diversos emails com a seguinte indagação: “Quem é você, e com que autoridade você escreve e afirma as coisas”? A resposta está no trecho bíblico citado acima.

 

O cristão que não confia na autoridade que a nós foi concedida por Deus, que não conhece as Escrituras de Deus, a Bíblia, e que não corresponde às exigências de Deus, o que se dá pela fé, esse cristão pode, sem hesitação alguma, ser chamado de débil, de fraco e alguns se encontram próximos do limite entre a fé e a incredulidade. Mas este não é o nosso caso. O lema de nossas vidas tem sido agradar a Deus, e isto segundo as Escrituras:

 

“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:6

 

Também Tiago fala a respeito dos que duvidam, dos que, pela debilidade que possuem diante da fé, não possuem nada, não alcançam coisa alguma, não prosperam:

 

“Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos.” Tiago 1:5-8

 

Por isso, pela fé e pelo conhecimento, na prática, de quem é o Senhor, é que falarmos aos homossexuais, a quem Deus ama, por quem Deus tem misericórdia e a quem Deus deseja salvar, pela fé no Evangelho do Senhor Jesus Cristo.

 

O Movimento Gay anti-homofobia, uma estratégia satânica para arrastar Homossexuais para a Perdição e desviar suas atenções do grande Amor de Deus

 

Sobre os assuntos que dizem respeito aos movimentos pró-aborto e pró-homossexualismo, disto já tratamos em outro artigo que escrevemos: Aborto e o Homossexualismo. E as pessoas devem fazer a correta e cristalina distinção do que Deus pensa sobre o Homossexualismo, sobre o Aborto e o que Deus afirma a respeito do seu grande amor para com os homens.

 

O movimento anti-homofobia está cheio de maléficas armadilhas psicológicas a fim de buscar tragar e prender os pensamentos e os afetos dos homossexuais na tentativa de fazer com que eles se identifiquem com esse movimento do diabo, e acreditem que suas inclinações homossexuais teriam alguma coisa a ver com esse tal movimento militante homossexual do inferno. Na realidade, porém, o movimento anti-homofobia não tem nada que preste aos interesses de homens e de mulheres homossexuais, sua real finalidade é ideológica e política, transformando os homossexuais que a esse movimento aderem em simples e maleável massa de manobra. Sobre este assunto já tratamos no artigo que já foi citado acima.

 

Deus ama os Homossexuais e quer que eles saibam disto!

 

Pra início de conversa, não há absolutamente nenhum embasamento bíblico para os que desejam diferenciar pecados entre si. Todos os pecados são considerados por Deus a mesma coisa, ou seja: injustiça e transgressão, e para todo pecado, a sentença é a mesma:

 

“Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá.”  Ezequiel 18:4

 

E também o remédio para todo o pecado é o mesmo, a saber:

 

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” João 3:16-18

 

O movimento anti-homofobia assevera, de forma enfática, que o grande obstáculo para o que chamam de “direitos dos homossexuais” é a Bíblia, portanto, de forma implícita e evidente, sugerem aos homossexuais a rejeição da Bíblia, e é na Bíblia que está o Evangelho do Senhor Jesus Cristo, o único que pode nos salvar do pecado, da morte e do inferno. Fica, portanto, evidente a armadilha do movimento anti-homofobia contra os homossexuais.

 

Mas Deus está com sua mão estendida para ajudar e salvar os homossexuais, os quais, assim como todos os homens, necessitam do amor de Deus.

 

A visão de Deus que os militantes do movimento anti-homofobia buscam passar para todos os homossexuais não corresponde, em nada, com o que Deus diz de si próprio. Deus não é um tirano, insensível e muito menos um Deus que tenha prazer na morte de ninguém, muito pelo contrário. Deus convida todos os homens, independentemente de qualquer condição, a conversar com ele, a dialogar com ele, a fim de que haja a reconciliação do homem com esse Deus de amor e de bondade imensuráveis. E esta reconciliação se dá pelo Evangelho do Senhor Jesus Cristo. Como está escrito:

 

“Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus; convertei-vos, pois, e vivei,” Ezequiel 18:32

 

Vale aqui lembrar que quando os Israelitas, durante a conquista da terra prometida, Canaã, se puserem em guerra contra a cidade de Jericó, todos os seus habitantes pereceram, menos a prostituta Raabe e sua família, pois ela creu em Deus e pela fé abrigou os mensageiros de Josué.

 

Afirma o Senhor Jesus Cristo:

 

“Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores.” Marcos 2:17

 

E toda a humanidade é chamada, por Deus, de pecadora. A Epístola de Paulo aos Romanos disto trata com grandeza de detalhes. Ressaltamos aqui o seguinte trecho bíblico, que não deve ser considerado fora do contexto de toda esta Epístola:

 

“Pois quê? Somos melhores do que eles? De maneira nenhuma, pois já demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem sequer um.” Romanos 3:9,10

 

E ainda:

 

"Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus," Romanos 3:23,24

 

E assim como é inútil qualquer tentativa de “enfatizar” algum pecado e “minimizar” outros, também é inútil a tentativa de fazer distinção entre os pecados relacionados à sexualidade, pois a Bíblia os encerra, todos juntos, em uma mesma e única categoria, senão, vejamos:

 

“Pelo que, julgo eu, não devemos perturbar aqueles que, dentre os gentios, se convertem a Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, bem como das relações sexuais ilícitas, da carne de animais sufocados e do sangue.” Atos 15:19,20

 

Aqui a palavra no original grego do Novo Testamento traduzida para “relações sexuais ilícitas” é porneia, que significa todo tipo de pecado relacionado à sexualidade: adultério, pornografia, prostituição, as parafilias (sadismo sexual, masoquismo sexual, fetichismo, voyerismo, incesto, zoofilia, necrofilia, dentre outros), as relações sexuais fora do casamento, a extraconjugalidade, a bigamia, e também o homossexualismo.

 

Biblicamente, portanto, um homem casado, pai de família, detentor de boa reputabilidade diante da sociedade, mas que em sua vida, cometeu um único adultério, este se encontra na mesma situação dos homossexuais. Semelhantemente, mulheres, casadas, solteiras ou viúvas, mas que também têm relações sexuais ilícitas, também elas estão debaixo de pecado. E, novamente, para todos nós, o remédio só é um, e só existe um único remédio para o pecado:

 

“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.” 1 João 2:1,2

 

Os Defensores e Propagadores do Homossexualismo

 

Certo é que aqui uma observação precisa ser feita. Há pessoas (homens e mulheres) homossexuais os quais sofrem profundamente em razão desta condição a qual, segundo elas mesmas afirmam, não optaram por possuir. Sentem-se incomodadas, inferiorizadas em seu íntimo, solitárias e também rejeitadas elas se sentem. São pessoas cuja atenção à voz de suas próprias consciências não está prejudicada, e, também como elas mesmas afirmam, prefeririam não ser assim. Ao passo que há outros homossexuais, não invariavelmente completamente vencidos pelo vício sexual, e a ele escravizados, os quais chegam ao ponto de se orgulhar de serem homossexuais. Propagam o homossexualismo, militam em prol dele e nele se encontram completamente imersos.

 

“Irmãos, sede meus imitadores, e atentai para aqueles que andam conforme o exemplo que tendes em nós; porque muitos há, dos quais repetidas vezes vos disse, e agora vos digo até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo; cujo fim é a perdição; cujo deus é o ventre; e cuja glória assenta no que é vergonhoso; os quais só cuidam das coisas terrenas.” Filipenses 3:17-19

 

“Cujo deus é o ventre” no original grego a palavra traduzida para ventre é koilia, e é uma referência às vísceras ocas do organismo (como intestinos e útero) e sua conotação traz idéia semelhante à do Hedonismo (o culto aos prazeres).

 

Muitos desses indivíduos são implacáveis  obcecados por um modo de vida focado e centralizado na busca por prazeres, homens de alma impiedosa, e são desta forma inimigos de Deus.

 

“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes.” 2 Timóteo 3:1-5

 

Embora até mesmo para estes a misericórdia de Deus esteja ao alcance, muitos dentre eles já fizeram a escolha de suas vidas e optam pelo desprezo às muitas e incontáveis manifestações do amor de Deus, sendo-lhe resistentes. E estes devem ser distinguidos daqueles para quem a homossexualidade não é nenhum motivo de orgulho, mas sim de muitos sofrimentos.

 

O Casamento entre Homossexuais em Igrejas

 

Esta é uma situação de maior gravidade, pois homens que a si mesmos se declaram ministros de Deus, pastores, presbíteros ou bispos, e que incorrem no erro de acreditar e de afirmar que um casamento entre pessoas do mesmo sexo possa acontecer debaixo das bênçãos de Deus, quanto a estes, já incorreram em franca apostasia, se é que algum dia já, de fato, foram ministros do Senhor, pois Deus instituiu o matrimônio, o qual diz respeito à união entre homem e mulher, tão somente, e o Senhor jamais mudará sua palavra, seja diante de que situação for.

 

“Respondeu-lhe Jesus: Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio homem e mulher, e que ordenou: Por isso deixará o homem pai e mãe, e unir-se-á a sua mulher; e serão os dois uma só carne? Assim já não são mais dois, mas um só carne. Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem.” Mateus 19:4-6

 

“Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará.” Hebreus 13:4

 

Pessoas homossexuais podem se converter a Cristo e passarem a ser filhas de Deus, desfrutando do amor da comunhão com o Pai do mesmo modo que pessoas heterossexuais. A questão da homossexualidade presente em suas mentes, isto é, na carne (a homossexualidade é fruto de um condicionamento mental adoecido), passa então a ser tratada diretamente com Deus, de modo íntimo e estritamente pessoal. Neste caso, o de cristãos que possuem a inclinação mental para a homossexualidade, estes são tratados por Deus como filhos, pois creram no Evangelho do Senhor Jesus Cristo, por isso, segundo a Bíblia, foram feitos filhos de Deus em Cristo. E aqui, como em qualquer lugar, Deus também não muda a sua palavra:

 

“Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;  os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” João 1:12,13

 

E outra vez:

 

“Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” João 6:37

 

Ao longo da História, não somente homossexuais, mas também prostitutas, ladrões e pecadores de toda sorte têm sido recolhidos pelos braços amorosos de Jesus Cristo, o qual veio para salvar os homens, salvar do pecado, das trevas e do inferno. E uma vez convertidos a Cristo, se tornam livres do pecado, não estando mais sujeitos a ele, ainda que a inclinação homossexual possa permanecer na mente de alguns, isto é, em sua carne. E a carne é incurável, como está escrito:

 

“Mas digo isto, irmãos, que carne e sangue não podem herdar o reino de Deus; nem a corrupção herdar a incorrupção.” 1 Coríntios 15:50

 

“Portanto, irmãos, somos devedores, não à carne para vivermos segundo a carne; porque se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.” Romanos 8:12-14 

 

E o desempenho de cada um de nós, em nossa luta contra o pecado, só pode ser avaliado pelo próprio Deus. E Deus assim o faz, de modo individual e pessoal para com cada um de nós, conduzindo-nos à saúde espiritual, física e mental. Cabe, portanto, aos homossexuais que se converteram a Cristo, humilde e corajosamente, pela fé, reconhecer e aceitar que o homossexualismo jamais será aceito por Deus, e muito menos o casamento entre pessoas do mesmo sexo, que, na verdade, casamento não é. Porém, também cabe a esses cristãos assumir a condição de filhos de Deus em Cristo, uma vez que tenham se convertido ao Senhor Jesus Cristo.

 

A reversão do condicionamento mental adoecido de que padecem alguns cristãos que lutam contra a homossexulidade em sua carne é possível pela atuação de Deus. Todavia, por razões que dizem respeito à individualidade de cada caso em particular, por vezes esse condicionamento mental permanece como um espinho na carne. Mas o mais importante é que esses cristãos perseverem em seguir a Cristo, a despeito de, por vezes, não entenderem o porquê disto. E assim como Paulo, que tinha um espinho na carne, receberem as palavras do Senhor Jesus Cristo:

 

“A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Por isso, de boa vontade antes me gloriarei nas minhas fraquezas, a fim de que repouse sobre mim o poder de Cristo.” 2 Coríntios 12:9

 

Por outro lado, homossexuais que aderirem ao movimento anti-homofobia, que insistirem no erro de acreditar que a união homossexual será, de alguma forma, aceita por Deus, estes se encontram em um caminho que cada vez mais os distanciará de Deus.

 

“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2

 

O que importa, ao final de tudo, é que Deus olha para todos nós com grande misericórdia, tendo já resolvido o problema do pecado enviando seu Filho Unigênito, Jesus Cristo, para morrer pelos nossos pecados. Pelo arrependimento e pela fé nele somos regenerados para uma nova vida em Cristo com Deus.

 

Homossexuais, ouçam o amor de Deus dirigido a vocês!

 

“Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” Mateus 11:27-30

 

 


 

 

Home