Por Que é Difícil aos Ricos Entrar no Reino de Deus?

"E Jesus, vendo-o assim triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!" Lucas 18:24

Sem dúvida que este assunto é um dos mais mal compreendidos em nossa sociedade ocidental. E antes que o leitor prossiga, gostaria de deixar claro que este texto não visa a defesa do acúmulo de riquezas e nem a defesa da assim chamada "teologia da prosperidade". Nosso objetivo é discorrer sobre a fiel interpretação destas palavras do Senhor Jesus e sua vasta aplicabilidade a imensos segmentos sociais.

Lembro-me de uma ocasião em que um pastor amigo pregava para a sua congregação e falava à respeito de estarmos bem certos das coisas que desejamos e que pedimos a Deus. Sua orientação era que fizéssemos a seguinte pergunta confrontando-a com nossos desejos e pedidos: "Para que eu desejo isto ou aquilo?" Citou ele alguns exemplos, como o desejar uma geladeira nova ou um carro de corrida. Seguindo sua orientação, ao perguntarmos a nós mesmos para que eu desejo um carro de corrida, a resposta poderia ser: A fim de me divertir, para mostrar aos outros minhas habilidades no volante, para competir, etc... Não é assim tão simples, portanto, justificar um desejo ou um pedido desta ordem. Não pelo seu valor material ou pelas óbvias dificuldade em se adquirir um carro de corrida, mas pelos reais motivos por detrás de um pedido desta ordem.
Já com relação à geladeira nova, para que eu a desejaria? Para poder tomar água em uma temperatura agradável, conservar por mais tempo os alimentos, enfim, são bastante plausíveis e aceitáveis esses motivos a fim de se desejar e de se pedir a Deus uma geladeira nova. O que contrasta com o absurdo do desejo de se possuir um carro de corrida, certamente que para a esmagadora maioria das pessoas.
É evidente que Deus deseja para todos os seus filhos o melhor desta terra, o que nada tem a ver com amor ao mundo. Porém, como dito acima, os motivos dos nossos desejos é que terminam por fazer a grande diferença.

Não foi em uma única ocasião que o Senhor Jesus Cristo teceu críticas ao comportamento de homens ricos, antes encontramos notáveis paralelos em Seu Evangelho, como por exemplo nesta espetacular passagem em Lucas 12:


"Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus." Lucas 12:15-21

Uma análise deste trecho bíblico nos pode fazer chegar bem próximos das razões pelas quais poucos ricos entrarão no Reino de Deus, segundo o Evangelho.
Vejamos que na alegria e nas prioridades do homem rico da parábola acima muitos planos havia, porém nada que dissesse respeito a Deus. Isto sem falar no pecado de se confiar em riquezas deixando de pôr a confiança n'Aquele que tem em sua mão a autoridade sobre as nossas almas e sobre toda a existência.

"Por que hei de eu temer nos dias da tribulação, quando me salteia a iniqüidade dos que me perseguem, dos que confiam nos seus bens e na sua muita riqueza se gloriam?" Salmos 49:5,6

Confiar nas riquezas ao invés de confiar em Deus é uma atitude de incredulidade, de covardia e de rebelião. A História está mais do que repleta de exemplos de homens e de mulheres cujo fim foi trágico e sobremaneira triste, a despeito das riquezas que possuíam.

Maria Callas foi uma das mais proeminentes cantoras de ópera de todos os tempos. Era uma artista notável e até os dias de hoje é tida, por muitos, como o maior soprano de todos os tempos. Porém, vejamos algumas de suas célebres frases:

"Não me fale à respeito de regras querido! Onde quer que eu esteja sou eu quem faz o raio das regras." Maria Callas 

"A próxima vez que eu for ver minha mãe será para vê-la dentro de um caixão e me certificar de que está realmente morta." Maria Callas 


O modo escandaloso como Maria Callas tratava sua mãe foi, e é até hoje, motivo de espanto para muitos os que lêem sua biografia. Callas odiava sua mãe e em um período em que sua progenitora passava por dificuldades, Callas voltou as costas à sua mãe negando-lhe qualquer forma de auxílio. E Maria Callas era rica, uma milionária na realidade.
Não é de nossa conta adentrarmos nos méritos do desentendimento entre Callas e sua mãe, porém, sabemos quem é que disse:


"Porque Deus ordenou: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe seja punido de morte." Mateus 15:4


Diante de desentendimentos ou mesmo de fortes rancores e mágoas que possamos ter em relação a nossos pais, o que graças a Deus não é o meu caso, nada e nem motivo algum pode prevalecer diante deste mandamento de Deus. Mas Callas é quem fazia suas próprias regras, como ela mesma dizia, não importando se as tais regras eram contrárias à vontade de Deus ou não.
Maria Callas morreu, aos 53 anos de idade, enfurnada em um apartamento em Paris, em circunstâncias que até hoje geram rumores. Há muitos que supõem que "a divina" como era conhecida, cometeu suicídio após arrastadas crises de depressão. E a despeito de toda a riqueza que possuía, sua infelicidade era apresentada a todos por seus próprios lábios.

O trecho bíblico abaixo nos pode dar a entender mais profundamente sobre o que Deus realmente condena nos ricos.


"Ora, havia certo homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente. Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as úlceras. Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio. Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente, os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos." Lucas 16:19-25


A arrogância e a soberba! São esses os principais motivos de os ricos dificilmente entrarem no Reino de Deus.


Vemos no comportamento do rico mencionado pelo Senhor Jesus uma total ausência e falta de misericórdia para com os mais pobres e para com o sofrimento alheio. Este trecho bíblico mostra que Lázaro desejava se alimentar das migalhas que caíam da mesa do rico. E a Bíblia registra "desejava", pois Lázaro não chegava a se alimentar das sobras da mesa daquele homem arrogante, apenas desejava. Até mesmo os cães que lhe lambiam as feridas tinham um comportamento mais adequado diante do estado de Lázaro, mesmo sem possuírem entendimento. Isto também foi registrado a fim de que possamos ver a monstruosidade do comportamento daquele rico arrogante. E sua soberba e excessivo amor próprio, em oposição à misericórdia, nos é revelada por Deus ao tomarmos conhecimento de que aquele homem, cujo nome deliberadamente nem sequer é mencionado, "se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que, todos os dias, se regalava esplendidamente." 

Se traçarmos um paralelo entre os seguintes trechos bíblicos poderemos entender a questão em muito maior profundidade: Lucas 18, Lucas 12, 1 Timóteo 6 e Tiago 2:


"Entretanto, vós outros menosprezastes o pobre. Não são os ricos que vos oprimem e não são eles que vos arrastam para tribunais?" Tiago 2:6


Deus concedeu, e concede, riquezas a quem Ele deseja, o que inclui homens de Deus do passado e do presente, como Abraão, Isaque, Jacó, Jó, Noé, Salomão, Davi, José de Arimatéia e tantos outros. O que Deus abomina, quer seja nos ricos ou nos pobres, é a arrogância, a altivez de espírito, a soberba e a perversidade, marca registrada na história de muitos homens e mulheres cujo quinhão é desta vida. E a despeito de haver muitos pobres arrogantes e alguns ricos humildes de espírito, é verdade que os traços da arrogância, da agressividade e da perversidade são muito mais facilmente encontrados entre os que possuem riquezas. Basta olharmos à nossa volta.

 


 

 

Home