Estudos Sobre o Apocalipse. Decapitados e Vencedores. As Promessas dos Capítulos 2 e 3 do Apocalipse

Nota: Este estudo será ampliado.

“Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos.” Apocalipse 20:4 

Como já tenho dito por diversas vezes, angustia-me ver a alienação dos povos à nossa volta, mesmo estando todos nós tão próximos dos eventos solenemente anunciados no Apocalipse. Basta que acessemos os principais jornais online para nos depararmos com toda sorte de futilidades, de mentiras, de matérias enganadoras e com o explícito propósito de distrair as massas, trazer falsas esperanças e sabotar a capacidade de pensar e de meditar com sabedoria e sobriedade a respeito da presente situação (apavorante) na qual se encontra o mundo inteiro.

Angustia-me também o fato de poder enxergar tantas imperfeições em mim mesmo, ao confrontar o meu próprio ser com as Escrituras, a Bíblia, não podendo eu deixar de lamentar a miserável situação em que fomos achados após a queda de Adão. Ai de todos nós não fosse o Senhor tão misericordioso!

“O SENHOR é misericordioso e compassivo; longânimo e assaz benigno. Não repreende perpetuamente, nem conserva para sempre a sua ira. Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniqüidades. Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece dos que o temem. Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó.” Salmos 103:8-14

Esta introdução não está fora de contexto, uma vez que estamos nos propondo a estudar o Livro do Apocalipse, mas tem tudo a ver com o que veremos a seguir. Por que estou eu aqui escrevendo para pessoas que sequer conheço? Por que me expondo a tantas agressões que tenho sofrido em razão deste ministério? Porque compreendendo ou não, uma missão me foi concedida na graça de Deus, e meu dever é cumpri-la, enquanto o Senhor assim o desejar. E em sofrimentos que só Deus conhece, persevero, insisto e não desisto, mesmo cercado de escorpiões e rodeado de víboras venenosas. A palavra de ordem é PERSEVERANÇA, chave para que possamos entender o presente estudo.

O Público Alvo do Livro de Apocalipse

Ainda que dado à Igreja toda, o Apocalipse possui um público alvo todo especial, a saber, os que estavam sendo ferozmente perseguidos pelo Império Romano à época em que João recebeu o Apocalipse, mas também, e principalmente, aos que serão perseguidos pela Besta e fortemente tentados a adorá-la e receber a sua marca na fronte ou na mão direita, e isto a fim de que se percam, que sejam lançados nas trevas eternas, o objetivo de Satanás para com a raça humana, a qual ele tem utilizado como alvo de seu ódio e desejo de vingança contra Deus. Ódio esse especialmente centrado nos filhos de Deus, a saber, nos que seguem a Cristo. O número dos cristãos que serão perseguidos pela Besta que surgirá em breve será impressionantemente maior do que o número de cristãos da época da Roma dos Césares.

O apóstolo João viu as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, os que perseverando em seguir a Cristo, e evidentemente não adorando a Besta que surgirá, perderam suas vidas, foram presos, assassinados, mortos. E este versículo é tremendamente enfático e sistemático em sua perfeição, mostrando porque estes irmãos foram mortos e porque foram salvos e ressuscitados em Cristo para a vida eterna. Vejamos:

- Perseveraram no testemunho de Jesus Cristo

- Foram fiéis à Palavra de Deus

- Não adoraram a Besta

- Não adoraram a sua imagem

- Não receberam a marca na fronte e na mão

Vejamos ainda outro texto do Apocalipse se referindo a estas mesmas coisas.

“E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos. Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.” Apocalipse 12:9-11

O principal agente que estará atuando por trás da Besta será Satanás, o qual incitará tanto o sistema mundial (presentemente já se arquitetando para que estas coisas se cumpram- o surgimento da aliança das dez nações que a Bíblia chama de Besta), bem como o líder dessa confederação, também chamado de Besta, a perseguir os cristãos, tentando-nos a adorar a Besta para a qual terá sido feita uma imagem que fala. Ainda outra pessoa, o falso profeta, também chamado de Besta, estará inserido nessa que podemos chamar de o ápice e o cúmulo da rebelião contra Deus. Por isso todos os adoradores da Besta e da sua imagem serão condenados ao lago do fogo, preparado para Satanás e seus anjos, porque optaram em segui-lo, assim como fizeram os anjos que hoje são demônios. E ainda que as circunstâncias da rebelião dos anjos não nos seja totalmente revelada por Deus, a essência da atitude entre os homens terá sido a mesma: a rejeição do Criador e a inimizade contra ele, inimizade esta expressa na rejeição do Filho.

“Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.” João 3:36 

As Promessas de Cristo Reveladas no Apocalipse

Embora, como já dito, o público alvo principal para certas passagens do Apocalipse sejam os irmãos que estiverem sendo perseguidos pela Besta, o Apocalipse traz revelações impressionantes sobre a existência presente e sobre a eternidade. E parte destas revelações são dadas em forma de promessas, feitas pelo próprio Senhor Jesus Cristo, no Apocalipse. Nas três passagens bíblicas a seguir, vemos o Senhor Jesus Cristo falando e assumindo a sua identidade eterna, qual seja, ele é o próprio Deus.

“Eu sou o Alfa e Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.” Apocalipse 1:8

“E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim.” Apocalipse 22:12,13

“Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã.” Apocalipse 22:16

As Promessas e as Solenes Advertências

Ao longo dos capítulos 2 e 3 do Livro do Apocalipse podemos ver tremendas e impressionantes promessas, acompanhadas de solenes advertências aos homens, a fim de fortalecer os cristãos durante a perseguição vindoura, a fim de que sejam consolados e, PERSEVERANTEMENTE, aguardem pelo Senhor, não adorando a Besta e nem a sua imagem.

Cada grupo de promessas e advertências está sendo dirigido à Igreja espalhada por toda a terra, aqui identificada como a Igreja de Cristo que se encontra em Éfeso, a Igreja de Cristo que se encontra em Esmirna, a Igreja de Cristo que se encontra em Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia.

É evidente que o número de congregações de cristãos que havia sobre a terra quando o apóstolo João recebeu a revelação do Apocalipse era muito menor do que o número de igrejas que hoje há. Todavia, está claro que as promessas e advertências estão sendo dirigidas à Igreja como um todo. E embora haja vários estudiosos das Escrituras que busquem identificar cada uma das sete Igrejas mencionadas no Apocalipse como sendo um período cronológico para a história da Igreja, e identificar a Igreja de Laodicéia como sendo a Igreja dos nossos dias, esta nos parece ser uma interpretação demasiado limitada da revelação dada  às sete Igrejas. E isto porque se somos a Igreja de Laodicéia, por que nos importaríamos com as promessas e, principalmente, com as advertências dadas às outras seis Igrejas, uma vez que somos a sétima? Na verdade, nos parece que o Senhor está tratando de cada aspecto de cada igreja que há, e que já houve, e que haverá sobre a terra ao longo da história. Cada qual com suas peculiaridades, todas vistas por Cristo, e advertindo ele, admoestando e consolando a Igreja como um todo. Em nosso entendimento, tanto as características da Igreja de Éfeso, como as características da Igreja de Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia são características e peculiaridades encontradas também hoje, na Igreja de Cristo, a qual é uma.

É verdade que a apostasia e o comércio abominável que hoje vemos na Igreja é algo sem precedentes, principalmente se observarmos o monstro em que se tornou o maior ramo apóstata de toda a história, a saber a Igreja Católica Romana, com seu impressionante rol de heresias e de abominações que ela conseguiu colecionar. Também nos parece ser sem precedentes a estranha ênfase que determinadas igrejas evangélicas têm dado ao dinheiro, muitas dessas igrejas repletas de mercenários, cumprindo-se assim o que profetizaram os apóstolos Paulo e Pedro.

“Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, por três anos, noite e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a cada um.” Atos 20:29-31

“Também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme.” 2 Pedro 2:3

Ainda assim, insistimos que a mensagem às sete Igrejas é dirigida a toda a Igreja, tendo estado ou estando situada em qualquer momento da história da Igreja. Vemos que está escrito:

“Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer e que ele, enviando por intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João, o qual atestou a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo, quanto a tudo o que viu.” Apocalipse 1:1,2

Este é um tópico vastíssimo e que merece um estudo exclusivo voltado a ele. Por hora, sigamos com a ênfase deste estudo voltada para a PERSEVERANÇA. Vejamos as promessas dos capítulos 2 e 3 do Apocalipse.

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.” Apocalipse 2:7

Deus é Um e há Um só Deus, o Criador. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são o Único e o mesmo Deus. A Igreja de Cristo é mantida, alimentada, orientada e guardada pelo Espírito Santo, o Senhor, o Dono e o Deus da Igreja de Cristo. E é ele próprio quem encoraja a Igreja através destas magníficas e fidelíssimas promessas.

Os vencedores serão aqueles que tiverem perseverado em seguir a Cristo até o fim de suas vidas, tenha custado o que for, e isto ao longo de toda a história da Igreja. Os vencedores é uma referência tanto à Igreja como um todo, bem como a cada cristão, individualmente.

Alimentar-se da árvore da vida significa ter a vida eterna, pois quem comer do fruto desta árvore, a qual se encontra no paraíso de Deus, viverá eternamente. Vejamos referências à árvore da vida no Livro de Gênesis.

“Do solo fez o SENHOR Deus brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal.”  Gênesis 2:9 

“Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal; assim, que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma, e viva eternamente.”  Gênesis 3:22 

“E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida.”  Gênesis 3:24 

-------------------

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte.” Apocalipse 2:11

A promessa anterior a esta nos garante, a nós os que vencermos, a vida eterna. E a presente promessa nos garante o escape da ira de Deus, ira esta que fará com que todos os seus inimigos sejam lançados no lago de fogo e enxofre, o inferno eterno, a segunda morte. A primeira morte é a que se refere à morte biológica, à morte física, à morte do corpo. A segunda morte é a morte do corpo ressuscitado unido à alma e ao espírito do indivíduo. Não será um estado de inexistência eterna, não terá nada a ver com qualquer tipo de sumiço, mas será o horrendo castigo do fogo eterno, experimentado em consciência, em dores, angústias e pranto eternos por todos os que forem condenados à segunda morte. Esta é a ira de Deus e o preço que cada um terá de pagar, eternamente, por sua rebelião contra Deus, a qual se manifesta, como já dito, na rejeição ao Filho de Deus, o único que tem autoridade para nos perdoar os pecados e para nos imputar a sua própria justiça, a qual ele próprio conquistou ao longo de todo o seu ministério aqui na terra, ao final do qual foi morto no Gólgota, em Jerusalém, e ressuscitou no terceiro dia, estando à destra do Pai e sendo o único Advogado com poderes para nos salvar da segunda morte.

“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.” 1 João 2:1,2

O sacrifício do Senhor Jesus Cristo foi algo de importância tão tremenda que é suficiente para absolver o mundo inteiro da condenação que sobrevirá aos homens pelos pecados que cometeram. Todavia, é evidente pelas Escrituras que muitos terão rejeitado a Cristo e ao seu sacrifício, razão pela qual experimentarão a segunda morte, eternamente. Afirmar que Deus terminará por absolver a todos no dia do juízo é mentira das mais grosseiras. Não que Deus assim não o desejasse, mas cada um, individualmente, terá feito a sua escolha. E quando olho para a cidade de Brasília, por exemplo, mais claro fica o porquê tantos sofrerão a segunda morte.

“Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo.”  Apocalipse 20:14 

-------------------

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.” Apocalipse 2:17

O que podemos saber pela Bíblia sobre o maná é que este foi uma provisão sobrenatural divina dada ao povo de Israel por quarenta anos, a fim de que sobrevivessem em sua caminhada rumo à terra prometida.

“E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram aos limites da terra de Canaã.” Êxodo 16:35

No versículo a seguir, podemos ter uma noção mais aprofundada sobre o motivo porque Deus enviou o maná ao povo.

“Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do SENHOR viverá o homem.” Deuteronômio 8:3 

Vemos pois que o maná escondido refere-se a uma provisão divina para a vida. Interessantemente, o Senhor Jesus Cristo faz a seguinte declaração sobre o maná que os filhos de Israel comeram no deserto:

“Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne.” João 6:48-51

Sendo assim, a chave para compreendermos algo mais sobre este misterioso maná escondido é que ele é alimento dado por Cristo. Uma provisão celestial relacionada à vida, que é Cristo.

“Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede.” João 6:35 

Seremos alimentados por Cristo, eternamente, e receberemos do maná escondido diretamente de suas mãos. Parece-me claro, todavia, que há coisas sobre este maná celestial que ainda não nos é dado conhecer.

Sobre a pedrinha branca com um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe, trata-se este novo nome da nossa nova e eterna identidade nos céus. Já não teremos o mesmo nome que agora possuímos, e este novo nome que receberemos ninguém o conhece senão aquele que o recebe. Em minha compreensão das Escrituras, entendo que esta nossa nova identidade será apenas de nosso próprio conhecimento pois não será dado a outros qualquer informação sobre nossas identidades passadas. E é bem possível que não nos reconheçamos nos céus como nos reconhecemos agora, pois está escrito:

“Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, jamais haverá memória delas.” Isaías 65:17 

Não penso fazer qualquer sentido nos céus nos lembrarmos de diversas situações de dor e de sofrimentos pelas quais passamos nesta vida presente. Imagine-se, por exemplo, alguém, nos céus, ter a lembrança de que seu filho morreu despedaçado em um acidente de tráfego, ou alguém lembrar que sofreu abusos sexuais na infância. Entendo que nossa consciência de quem somos poderá permanecer até o momento em que recebermos esta nossa nova e eterna identidade. Difícil é este território, mas digo que a consciência do nosso espírito não é a mesma consciência de nossa mente, a qual depende das memórias armazenadas em nossos cérebros, o qual, evidentemente, não mais possuirá as características anátomo-fisiológicas atuais, pois grande parte deste órgão tem a finalidade de movimentar músculos e vísceras feitas de carne, postas neste nosso corpo terreno, o qual será transformado em um corpo celestial de glória.

------------------- 

Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como se fossem objetos de barro; assim como também eu recebi de meu Pai, dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Apocalipse 2:26-29

Este será o cumprimento da profecia anunciada no Salmo 2.

Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o SENHOR e contra o seu Ungido, dizendo: Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas. Ri-se aquele que habita nos céus; o Senhor zomba deles. Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá. Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião. Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão. Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás como um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor. Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam.” Salmos 2

 

Quando a Bíblia nos fala sobre o retorno do Senhor Jesus Cristo, com grande poder e glória, a Bíblia anuncia que o Senhor retornará e todos os santos com ele. Isto acontecerá no último dia, o dia do arrebatamento da Igreja e do juízo de Deus. É uma referência ao Armagedom, a última batalha, a qual acontecerá no último dia, o dia do Senhor. É também uma referência ao período de tempo que a Bíblia chama de mil anos, quando reinaremos com Cristo em Jerusalém, e receberemos autoridade para, juntamente com ele, reger as nações com cetro de ferro. Importante lembrar que será nesse dia que Jerusalém será sitiada pelos exércitos da Besta, porém o Senhor Jesus Cristo e todos os santos com ele prevalecerão nesta última batalha.

 

Então, sairá o SENHOR e pelejará contra essas nações, como pelejou no dia da batalha. Naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade, para o sul. Fugireis pelo vale dos meus montes, porque o vale dos montes chegará até Azal; sim, fugireis como fugistes do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá; então, virá o SENHOR, meu Deus, e todos os santos, com ele.” Zacarias 14:3-5

 

 

Sobre a Estrela da Manhã

 

"Dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã" Apocalipse 2:28

Considero este versículo de difícil interpretação. Todavia, vejamos esta passagem de 2 Pedro:

"Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade, pois ele recebeu, da parte de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo. Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração" 2 Pedro 1:16-19

Aqui a palavra estrela da alva vem do original em Grego do Novo Testamento, Phosphoros. Quando os antigos gregos viam a estrela da manhã ao amanhecer (que sabemos tratar-se do planeta Vênus), eles a chamavam exatamente pelo mesmo nome, Phosphoros (que traz a luz). Aqui o clarear do dia, ou amanhecer, é uma referência à volta de Cristo, quando adentraremos no dia eterno, ou seja, na eternidade, quando já não haverá mais noite.

"Antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno." 2 Pedro 3:18

E o nascimento da estrela da alva em nossos corações parece referir-se à nossa redenção e ressurreição, quando seremos co-participantes da natureza divina, como também o próprio apóstolo Pedro escreveu nesta mesma Epístola:

"Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude, pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo" 2 Pedro 1:3,4

A estrela da manhã é a primeira estrela a surgir de dia. A Bíblia nos diz que o Senhor Jesus é o Primogênito dos mortos, ou seja, o que primeiro foi por Deus ressuscitado. Também nos diz a Bíblia que ele é a Brilhante Estrela da manhã. Sendo assim, seguindo a Cristo, e à sua semelhança, seremos ressuscitados e brilharemos no firmamento eterno após ter surgido a Brilhante Estrela da Manhã, que é Jesus Cristo, o Primogênito entre muitos irmãos (cf. Hebreus 2). Aqui novamente, o recebermos de Jesus Cristo a estrela da manhã, parece referir-se à ressurreição da vida.

"Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente." Daniel 12:3

"Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda." 1 Coríntios 15:22,23

Finalizando, quando o Senhor Jesus afirma ser ele a Estrela da Manhã, temos no grego: Aster Orthrinos (Estrela da Manhã). Todavia ao prometer aos vencedores a estrela da manhã, temos Aster Proinos (Estrela que pertence à Manhã).

-------------------

O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Apocalipse 3:5,6

Venceram e foram purificados pelo sangue do Cordeiro, razão pela qual serão vestidos de vestiduras brancas todos os vencedores. Estas vestiduras brancas se referem à santidade eterna que nos foi concedida e imputada pelo Senhor Jesus Cristo. Referem-se também aos atos de justiça dos santos. O nome de cada um dos vencedores não será apagado do Livro da Vida porque fizeram em vida como o Senhor nos ordena.

Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mateus 10:32,33

Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.” Apocalipse 19:7,8

-------------------

Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Apocalipse 3:12,13

As colunas do santuário de Deus são parte integrante do santuário eterno. Não podem ser movidas, não podem ser modificadas, eternamente. Esta é uma referência ao estado eterno de nossa permanência junto de Deus. Ou seja, uma vez tendo sido os vencedores conduzidos pelo Senhor Jesus Cristo aos céus, o santuário de Deus, de lá jamais sairão, graças a Deus! Será a permanência eterna e garantida na presença de Deus por toda a eternidade. E o Apocalipse nos afirma que na Nova Jerusalém estará o trono de Deus.

Interessante notarmos que o Senhor Jesus Cristo afirma que ele terá um novo nome. Assim como nós também teremos um novo nome, como já visto acima. Fica evidente pelo trecho bíblico acima que esse novo nome do Senhor Jesus Cristo só poderá ser conhecido pelos vencedores, os que entrarem nos céus. Este é, de fato, um grande mistério e que nos parece ter relação com o que escreveu o apóstolo Paulo:

E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, exclui aquele que tudo lhe subordinou. Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.” 1 Coríntios 15:24-28

E ainda:

Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.” 1 Coríntios 13:12

As Escrituras são enfáticas e solenes ao afirmarem que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são o Único e o mesmo Deus. Para o intelecto humano desprovido do entendimento das coisas espirituais, é impossível compreender como Deus pode ao mesmo tempo ter permanecido no seu trono simultaneamente ao período em que se fez carne e habitou entre nós. Mas as Escrituras afirmam que o trono de Deus é o mesmo trono do Cordeiro e que foi o próprio Deus quem esteve entre nós na pessoa do Filho. Vejamos os trechos bíblicos a seguir.

Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. Apocalipse 22:1

Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão Apocalipse 22:3

“Ora, todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas” João 17:10

“Eu e o Pai somos um.” João 10:30 

“Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.” 2 Coríntios 5:18,19

“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco).” Mateus 1:23 

Na realidade, a plena compreensão da pessoa de Deus como sendo a Santa Trindade Divina ainda não nos foi dada em sua plenitude de compreensão por nossa parte. Mas, ao adentramos no Reino dos Céus, certamente conheceremos a Deus em sua plenitude, e então veremos a face do Pai, veremos e conheceremos o Senhor Jesus Cristo face a face na glória excelsa de sua divindade, na presença eterna do Espírito Santo.

Aqui uma das muitas afirmação bíblicas da Trindade de Deus, onde vemos, juntamente, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

“E aconteceu que, ao ser todo o povo batizado, também o foi Jesus; e, estando ele a orar, o céu se abriu, e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea como pomba; e ouviu-se uma voz do céu: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.” Lucas 3: 21,22

O Filho de Deus foi batizado estando aqui em carne, o Espírito de Deus desceu sobre o Filho e o Pai falou do céu. O nome do Filho do Homem é Jesus Cristo, e o novo nome de Jesus, o Deus Unigênito, nos será dado a conhecer somente nos céus. Então conheceremos a Trindade de Deus em sua plenitude.

“Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” João 14:9 

“No princípio, criou Deus os céus e a terra.” Gênesis 1:1

No primeiro versículo da Bíblia, a palavra em hebraico para Deus é Elohiym, e este nome é uma unidade composta, uma unidade no plural. Judeu em hebraico é Yehudi (singular) e Judeus é Yehudim (plural). Deus se refere a si mesmo como o Senhor Deus - Yehovah Elohiym.

Também nos diz o Senhor que ele gravará em nós o seu novo nome, mas também o nome do seu Deus. Creio que a chave para a compreensão deste mistério é, de fato, o conhecimento da pessoa de Deus em sua plenitude, a completa e plena revelação aos santos sobre o mistério da Trindade de Deus.

“Pois há três que dão testemunho no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um.” 1 João 5:7 

No Grego original do Novo Testamento, a Palavra é Logos, a mesma usada em João 1:1 e em Apocalipse 19:13

Sendo assim, a melhor tradução deste versículo é a tradução da Bíblia King James:

“Pois há três que dão testemunho no céu: o Pai, o Verbo e o Espírito Santo; e estes três são um.” 1 João 5:7 

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” Mateus 28:19 

------------------- 

Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Apocalipse 3:21,22

Esta é uma clara referência à promessa de Deus que assevera que os vencedores herdarão o reino de Deus e reinarão com Cristo pelos séculos dos séculos. Vemos diversas referências bíblicas a esta promessa.

Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino.  Lucas 12:32

Fiel é esta palavra: Se já morremos com ele, também viveremos com ele; se perseveramos, também com ele reinaremos; se o negamos, ele, por sua vez, nos negará; se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo.” 2 Timóteo 2:11-13

 

INTELLECTUS

 

Home