Ouro, Prata e Riquezas, Como ser Rico no Reino de Deus

 

Se você estiver no Brasil e desejar reparar nos veículos estacionados ou mesmo nos que se encontram em movimento, poderá observar que muitos deles carregam enrolados na haste do espelho retrovisor uma veriedade enorme de amuletos, fitinhas, correntes e uma série de outros penduricalhos os quais, acreditam, conferirá ao veículo alguma proteção. Também poderá observar que há diversas pessoas que, ao receberem determinado bem ou quantia em dinheiro, batem um certo número de vezes em algum pedaço de madeira, realizam discretos rituais de benzeduras sobre si mesmas, além daquelas que chegam ao ponto de carregar seus bens para serem benzidos. Estes comportamentos expressam não um sentido religioso etimologicamente falando, mas comportamentos supersticiosos, espiritualmente inúteis, os quais não lhes trarão benefício algum, muito pelo contrário.

Há pelo mundo afora diversos rituais, rezas, oferendas e resmungos que são dirigidos a falsos deuses com o intuito de receberem deles prosperidade, proteção e dinheiro. Todavia, a Bíblia nos fala quem realmente são essas entidades que se auto-proclamam deuses.

“Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, dos quais não se estremeceram seus pais.” Deuteronômio 32:17

Há ainda os que deliberadamente realizam pactos com Satanás com a finalidade de enriquecer. Esses pactos são frequentemente realizados com a intermediação de bruxos e feiticeiros (muitos deles colocam anúncios em jornais, revistas, rádio, televisão e internet) os quais costumeiramente possuem algum vínculo com rituais de origem africana.

Embora Satanás possua uma determinada autoridade sobre este mundo moribundo, podendo até mesmo conceder bens materiais a alguém que desejar a ele se associar, o preço final de tais pactos é a eterna perdição da alma, o que em termos práticos significa arder eternamente nas profundezas do lago do fogo e enxofre, segundo solenemente nos adverte o Senhor.

“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.” Apocalipse 21:8 

E mesmo embora muitos desprezem as advertências bíblicas sobre o futuro eterno dos rebelados contra Deus, e ainda assim prefiram as riquezas desta efêmera existência a estar ao lado do Criador, apenas uma minúscula minoria dos que pactuam com Satanás receberá bens materiais dados pelo diabo, pois seu real objetivo não é o de conferir riquezas a ninguém, muito pelo contrário, mas o de roubar-lhes os bens. A esmagadora maioria das promessas de riquezas feitas pelos demônios (frequentemente através de médiuns) não passa de mentira deslavada, pois o que realmente desejam os demônios é a submissão do pactuante a fim de que possuam maior autoridade sobre suas vidas a fim de destruí-las por completo. E mesmo os que alguma coisa conseguirem receber, dentre esses absolutamente nenhum deles receberá jamais qualquer garantia e muito menos proteção sobre esses tais bens malditos adquiridos com o auxílio de demônios (que são anjos caídos à serviço de Satanás, seu líder). Isto por algumas razões básicas, dentre as quais destacamos:

- O modo pelo qual Satanás confere bens materiais a alguém que com ele faça pactos não é o modo direto, ou seja, o diabo não tem o poder de criar coisa alguma para dá-la a alguém, mas age envolvendo quem com ele pactua em tramas e em intrigas, através das quais homens ímpios e profanos trocam favores escusos entre si, resultando, frequentemente, tais ações em desvios de bens alheios os quais repartem injustamente entre si. Aí se incluem os conhecidos desvios de verbas alheias, os estratagemas financeiros ilícitos, os roubos, dentre outros.

- Uma vez tendo recebido submissão do pactuante, Satanás não perderá tempo em se utilizar de permissões que a própria pessoa lhe concedeu para que ele atue em sua vida, logo, assim que puder, Satanás a envolverá em outras tramas de destruição, a fim de que seja lançada na miséria, na vergonha, na humilhação e se possível para que morra assassinada, sequestrada, morta em cárcere ou pelo suicídio. Somente desta maneira obterá ele o triunfo desejado, qual seja, a perdição eterna de mais uma alma, seu principal objetivo em seu obstinado e equivocado plano de vingança contra Deus.

- Satanás não é dono de coisa alguma, e qualquer de seus planos pode ser imediatamente frustrado por Deus, o verdadeiro Senhor e Dono de todas as coisas.

Diante do exposto, nos parece um péssimo negócio procurar agenciar os poderes das trevas a fim de receber bens materiais.

 

O Verdadeiro Dono

 

“Se eu tivesse fome, não to diria, pois o mundo é meu e quanto nele se contém.” Salmos 50:12 

De modo totalmente diferente, Deus, o Criador dos céus e da terra, em absolutamente nada se assemelhando aos ídolos dos homens, não deseja ser um Deus que simplesmente conceda riquezas e proteção às riquezas que concede a alguém. E ainda que sua bondade e generosidade não tenham limites, podendo, se assim ele o desejar, conceder bens a alguém por pura benevolência, seus objetivos para conosco são muito mais elevados do que a simples concessão de riquezas materiais. E isto está expresso nas Escrituras de modo até mesmo comovente:

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16 

“Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” Romanos 8:32

Pelas Escrituras, a Bíblia, podemos ver e entender que Deus deseja ter um relacionamento de amor e de amizade conosco.

“Pois que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o SENHOR, nosso Deus, todas as vezes que o invocamos?”

“E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.” 1 João 4:16 

Embora seja preferível que alguém que apenas deseje obter riquezas as peça ao legítimo Criador e Dono dessas riquezas, a saber Deus, do que pedi-las ao diabo, que não é dono de coisa alguma (é um indigente miserável e já condenado, o qual nada pode fazer nem mesmo para si próprio), tal postura diante da existência está muito longe do que ensina o Evangelho do Senhor Jesus Cristo.

“No dia seguinte, a multidão que ficara do outro lado do mar notou que ali não havia senão um pequeno barco e que Jesus não embarcara nele com seus discípulos, tendo estes partido sós. Entretanto, outros barquinhos chegaram de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, tendo o Senhor dado graças. Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura. E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo.” João 6:22-27

É verdade que Deus tem prazer e satisfação em nos ver alegres e contentes devido a algum bem material que dele tenhamos recebido, todavia e como já dito, a visão espiritual mais amadurecida enxerga muito mais além disto. Vejamos, por exemplo, como o Senhor Jesus Cristo solicitou a verdadeira expressão do amor do apóstolo Pedro.

“Veio Jesus, tomou o pão, e lhes deu, e, de igual modo, o peixe. E já era esta a terceira vez que Jesus se manifestava aos discípulos, depois de ressuscitado dentre os mortos. Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes outros? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas? Ele lhe respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Pastoreia as minhas ovelhas. Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as minhas ovelhas.” João 21:13-17

Biblicamente, uma das mais importantes manifestações de amor que alguém pode oferecer a Deus é cuidando daquilo o que para Deus é o mais precioso, a saber, suas ovelhas.

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar. Eu e o Pai somos um.” João 10:27-10

Sendo o Senhor Deus o criador de todas as riquezas celestiais e terrenas, é evidente que ele mesmo de nada necessita, porém sabemos que dentro da Igreja as necessidades materiais são muitas, e isto também porque não contamos com o auxílio financeiro do mundo, muito pelo contrário, e a história é testemunha de que o mundo tem não somente perseguido e roubado a Igreja, como também já assassinou muitos dentre nós. E estas coisas têm sido assim permitidas em razão do juízo vindouro, como está escrito:

“Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica; e que em nada estais intimidados pelos adversários. Pois o que é para eles prova evidente de perdição é, para vós outros, de salvação, e isto da parte de Deus.” Filipenses 1:27,28

Esta situação é de tal ordem importante, que o próprio Senhor Jesus Cristo declarou que no dia do juízo de Deus também será levado em conta o que cada ser humano houver feito em favor da Igreja.

“Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; sendo forasteiro, não me hospedastes; estando nu, não me vestistes; achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me. E eles lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso e não te assistimos? Então, lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixastes de fazer. E irão estes para o castigo eterno, porém os justos, para a vida eterna.” Mateus 25:31-46

Também as Epístolas do Novo Testamento estão cheias de admoestações, conselhos e ensinos a fim de que entendamos que somos também provados pelo que fazemos ou pelo que deixamos de fazer aos nossos irmãos. Vejamos alguns exemplos:

“Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?” 1 João 3:17 

Os trechos bíblicos a seguir talvez sejam a mais importante lição de economia e finanças bíblicas que há nas Escrituras. Sugiro-lhe que os leia e que os estude com bastante atenção.

“Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia; porque, no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade. Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários, pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus; o que nos levou a recomendar a Tito que, como começou, assim também complete esta graça entre vós. Como, porém, em tudo, manifestais superabundância, tanto na fé e na palavra como no saber, e em todo cuidado, e em nosso amor para convosco, assim também abundeis nesta graça. Não vos falo na forma de mandamento, mas para provar, pela diligência de outros, a sinceridade do vosso amor; pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos. E nisto dou minha opinião; pois a vós outros, que, desde o ano passado, principiastes não só a prática, mas também o querer, convém isto. Completai, agora, a obra começada, para que, assim como revelastes prontidão no querer, assim a leveis a termo, segundo as vossas posses. Porque, se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem. Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga; mas para que haja igualdade, suprindo a vossa abundância, no presente, a falta daqueles, de modo que a abundância daqueles venha a suprir a vossa falta, e, assim, haja igualdade, como está escrito: O que muito colheu não teve demais; e o que pouco, não teve falta.” 2 Coríntios 8:1-15

“E isto afirmo: aquele que semeia pouco pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará. Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria. Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra, como está escrito: Distribuiu, deu aos pobres, a sua justiça permanece para sempre. Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus. Porque o serviço desta assistência não só supre a necessidade dos santos, mas também redunda em muitas graças a Deus, visto como, na prova desta ministração, glorificam a Deus pela obediência da vossa confissão quanto ao evangelho de Cristo e pela liberalidade com que contribuís para eles e para todos, enquanto oram eles a vosso favor, com grande afeto, em virtude da superabundante graça de Deus que há em vós. Graças a Deus pelo seu dom inefável!” 2 Corintios 9:6-15

O que Deus está fazendo através de Paulo, ao usar-lhe a vida a fim de nos deixar estes tesouros escritos, é convocar homens e mulheres a fim de que sejam seus parceiros no cuidado com o seu povo, o seu maior tesouro.

E chega a ser impressionante o casamento automático destes dois trechos bíblicos a seguir:

“Porque a porção do SENHOR é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança.” Deuteronômio 32:9 

“A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.” Lamentações 3:24 

O que a Bíblia nos diz é que o resultado final de toda esta dura e penosa existência será a união celestial eterna entre Deus e Seu povo, para a comunhão eterna entre Cristo e a Noiva, que é a Igreja:

“Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes. Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso. Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus.” Apocalipse 19:5-9

Ora, se a Igreja é a porção do Senhor, e se ele nos convida a sermos despenseiros em favor dela, espiritualmente e materialmente, convidados a participar da honra de prestarmos cuidados ao povo de Deus, como não se cumpriria em nossas vidas o que está escrito?

“Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.” 2 Coríntios 9:10,11

 

Um Breve Relato de Minha Experiência Pessoal

 

Certa vez estive visitando uma Igreja, participando do culto, e após o final daquele encontro, uma senhora, em tom emotivo bradou em minha direção: “Você tem que dar o dízimo! Se você não der o dízimo você não irá prosperar!”

Desde que me converti ao Senhor, há vários anos, jamais pude aceitar que o dízimo fosse obrigatório para a Igreja. E biblicamente não é! Em outro artigo já tratamos deste assunto. E sugerimos-lhe que o leia, pois este presente estudo lhe será ainda mais proveitoso se você o conjugar com aquele.

Ocorre que até o dia de hoje não dou o dízimo à Igreja como frequentemente se faz no assim chamado meio evangélico (ou seja, nestas condições estipuladas: "você só será abençoado financeiramente se der o dízimo"), mas possuo uma chama acesa em meu coração a fim de que eu possa viver tal como o apóstolo Paulo ensina em sua 2ª Epistola aos Coríntios. E se alguma colaboração financeira eu faço à Igreja de Cristo, faço-a nos moldes da já citada Epístola de Paulo, e de coração entendo isto como sendo o que a Bíblia chama de “assistência aos santos” (Cf. 2 Coríntios – preferencialmente leia e Epístola inteira). Biblicamente, temos liberdade para decidir com quanto desejamos contribuir financeiramente para a obra de Deus, para a Sua Casa, a Igreja. Em Cristo estamos livres das ordenanças da Lei, mas eternamente comprometidos no Seu amor. Veja artigo sobre o dízimo.

O fato é que ANTES que eu começasse a seguir estes presentes ensinamentos bíblicos, e SEM DAR o dízimo à Igreja, eu já comecei a experimentar uma prosperidade financeira da parte de Deus. Ora, se a salvação de nossas almas é pela graça, pelo preço pago pelo Filho de Deus, o Senhor Jesus, como algo menor, qual seja, a prosperidade financeira, também não seria pela graça? E ainda que o dinheiro em si nada seja, é grande o valor do amor que demonstramos a Deus quando ajudamos a Igreja financeiramente, e isto é bíblico. Todavia nada do que chega às nossas mãos provém de nossos esforços, mas provém da bondade e da graça de Deus, como está definitivamente afirmado nas Escrituras:

“Pelo que Davi louvou ao SENHOR perante a congregação toda e disse: Bendito és tu, SENHOR, Deus de Israel, nosso pai, de eternidade em eternidade. Teu, SENHOR, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu, SENHOR, é o reino, e tu te exaltaste por chefe sobre todos. Riquezas e glória vêm de ti, tu dominas sobre tudo, na tua mão há força e poder; contigo está o engrandecer e a tudo dar força. Agora, pois, ó nosso Deus, graças te damos e louvamos o teu glorioso nome. Porque quem sou eu, e quem é o meu povo para que pudéssemos dar voluntariamente estas coisas? Porque tudo vem de ti, e das tuas mãos to damos. Porque somos estranhos diante de ti e peregrinos como todos os nossos pais; como a sombra são os nossos dias sobre a terra, e não temos permanência. SENHOR, nosso Deus, toda esta abundância que preparamos para te edificar uma casa ao teu santo nome vem da tua mão e é toda tua.” 1 Crônicas 29:10-16

“Respondeu João: O homem não pode receber coisa alguma se do céu não lhe for dada.” João 3:27 

A minha prosperidade financeira me chegou às mãos pela graça e pela bondade de Deus, embora haja sempre a necessidade de estarmos com os nossos propósitos para o dinheiro bem definidos e expostos diante de Deus, pois o Senhor a tudo vê e de modo nenhum aceita subornos ou palavras vãs. Pois não foi antes de bem entender o que a seguir cito, palavras do Senhor Jesus, que comecei a prosperar financeiramente, mas somente após ter compreendido bem o seguinte:

“Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.” Lucas 12:15 

Isto bem entendido e bem fundamentado em meu coração, convidei o Senhor a ser meu parceiro em minhas atividades profissionais, tendo de coração sincero o desejo de colaborar para a assistência dos santos, foi quando deslanchou de modo maravilhoso a sequência de eventos controlados por Deus que me fizeram um homem próspero, ou seja, sem ter necessidade de coisa alguma e sem invejar quem quer que seja, de norte a sul desta terra e do oriente ao ocidente, nem mesmo do passado, do presente ou do futuro, de modo que também se cumpre em minha vida o que está escrito:

“Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.” Hebreus 13:5 

 

Ricos Materialmente e Ricos para com Deus

 

Acredito que alguns que estejam lendo este artigo já muito bem entendem o que significa ser rico para com Deus, porém, por razões particulares e pessoais, também almejam prosperidade financeira nesta existência. Também acredito que haja aqueles para quem os bens materiais só têm importância na medida da necessidade que todos nós possuímos em ter nossas necessidades materiais supridas. Vejamos o que nos diz o Senhor sobre ambos os casos:

“Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus. A seguir, dirigiu-se Jesus a seus discípulos, dizendo: Por isso, eu vos advirto: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes. Observai os corvos, os quais não semeiam, nem ceifam, não têm despensa nem celeiros; todavia, Deus os sustenta. Quanto mais valeis do que as aves! Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? Se, portanto, nada podeis fazer quanto às coisas mínimas, por que andais ansiosos pelas outras? Observai os lírios; eles não fiam, nem tecem. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais tratando-se de vós, homens de pequena fé! Não andeis, pois, a indagar o que haveis de comer ou beber e não vos entregueis a inquietações. Porque os gentios de todo o mundo é que procuram estas coisas; mas vosso Pai sabe que necessitais delas. Buscai, antes de tudo, o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas. Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino. Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei para vós outros bolsas que não desgastem, tesouro inextinguível nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça consome, porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” Lucas 12:15-34

“Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” Mateus 6:19-21

Para ambos os casos descritos acima, o que Deus deseja que busquemos é uma vida de amor a Deus e uma vida de amor aos nosso irmãos, cristãos assim como nós mesmos o somos, filhos do mesmo Pai e servos do mesmo Senhor e Deus, o qual se chama Jesus Cristo. Pois se nossos corações estiverem voltados e devotados a qualquer outro tipo de tesouro que não seja o amor de Deus, o risco de cairmos em tentação e cilada será grande, obtendo ao fim não a prosperidade que porventura almejemos, mas miséria, dor, pranto, sofrimento e morte.

“De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.” 1 Timóteo 6:6-11

Deus não nos está dizendo que não possamos ser prósperos financeiramente, o que é uma reivindicação legítima à qual também temos direito pela obra de Cristo, pois o Senhor Jesus conquistou para nós todas as coisas, como está escrito:

“Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso: seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, sejam as coisas presentes, sejam as futuras, tudo é vosso, e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus.” 1 Coríntios 3:21-23

O importante é que as prioridades de Deus para as nossas vidas não sejam por nós invertidas e que os nossos corações não estejam em tesouros que não agradam a Deus. Porém, se de coração sincero buscarmos a Deus, suplicando-lhe, humildemente, por bênçãos espirituais, primeiramente, e por bênçãos materiais a fim de que possamos não somente ter as nossas necessidades e até mesmo desejos pessoais atendidos, mas para que possamos também ser úteis para a Igreja, segundo o Senhor nos tiver chamado, é certo que o Senhor não nos deixará de atender, pois também está escrito:

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á. Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?” Mateus 7:7-11

 

Razões pelas quais alguém dificilmente receberá prosperidade financeira da parte de Deus, e as

respectivas soluções

 

- Incredulidade

Solução: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:6 

- Soberba e Arrogância

Solução: “Quem a si mesmo se exaltar será humilhado; e quem a si mesmo se humilhar será exaltado.” Mateus 23:12

- Inversão de Prioridades

Solução:  “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mateus 6:33

- Preguiça e Vagabundagem

Solução: “Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto: se alguém não quer trabalhar, também não coma.” 2 Tessalonicenses 3:10 

- Se os seus bens forem ser utilizados a fim de humilhar os outros

Solução: “Suscitaram também entre si uma discussão sobre qual deles parecia ser o maior. Mas Jesus lhes disse: Os reis dos povos dominam sobre eles, e os que exercem autoridade são chamados benfeitores. Mas vós não sois assim; pelo contrário, o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve. Pois qual é maior: quem está à mesa ou quem serve? Porventura, não é quem está à mesa? Pois, no meio de vós, eu sou como quem serve.” Lucas 22:24-27

- Farras, Festas e Orgias

Solução: “Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis; pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres. Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” Tiago 4:2-4

- Avareza

Solução: “Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.” Lucas 12:15

- Consentimento com doutrinas sem respaldo bíblico, as quais priorizam a riqueza em detrimento do amor de Deus e de Sua soberana vontade

Solução: “Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus.”  Mateus 22:29 

- Murmuração

Solução: “Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo,”Filipenses 2:14,15

Conclusão:

Examine-se a si mesmo, defina suas prioridades e faça-o segundo os ensinamentos do Evangelho.

Clame a Deus e peça ao Senhor que lhe dê sabedoria. Ore a Deus com perseverança sem grandes ansiedades ou expectativas imediatistas quanto ao dinheiro, pois Deus nos tem disciplinado a fim de sermos participantes da vida eterna. E somente Deus sabe quando já estamos preparados para receber isto ou aquilo.

Não procure esconder de Deus coisa alguma, exponha ao Senhor seus desejos mais íntimos, mesmo os que não sejam do Seu agrado, pois o Senhor saberá lidar com você e mostrar-lhe o melhor caminho.

Trabalhe para o Senhor, volte seu coração ao amor para com os irmãos e pense em ajudá-los financeiramente, pois muitos estão em necessidades.

Não se esqueça jamais dos irmãos doentes e dos que se encontram encarcerados.

Trabalhe com ânimo e com honestidade, pedindo que Deus abençoe o seu trabalho.

Ore e lute para não se endividar. E se se endividou, pague suas dívidas o mais depressa possível. Lembre-se de que os céus e a terra pertencem a Deus.

Jamais murmure diante de Deus! Converta sua indignação e ira em humilhação e lágrimas diante de Deus, e você verá que os resultados lhe surpreenderão, pois está escrito:

“Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!” Efésios 3:20,21

E finalmente, lembre-se que Deus concedeu grande sabedoria e riquezas a Salomão simplesmente pelo fato de Salomão ter se preocupado em cuidar do tesouro de Deus, o qual é o Seu povo.

“Em Gibeão, apareceu o SENHOR a Salomão, de noite, em sonhos. Disse-lhe Deus: Pede-me o que queres que eu te dê. Respondeu Salomão: De grande benevolência usaste para com teu servo Davi, meu pai, porque ele andou contigo em fidelidade, e em justiça, e em retidão de coração, perante a tua face; mantiveste-lhe esta grande benevolência e lhe deste um filho que se assentasse no seu trono, como hoje se vê. Agora, pois, ó SENHOR, meu Deus, tu fizeste reinar teu servo em lugar de Davi, meu pai; não passo de uma criança, não sei como conduzir-me. Teu servo está no meio do teu povo que elegeste, povo grande, tão numeroso, que se não pode contar. Dá, pois, ao teu servo coração compreensivo para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; pois quem poderia julgar a este grande povo? Estas palavras agradaram ao Senhor, por haver Salomão pedido tal coisa. Disse-lhe Deus: Já que pediste esta coisa e não pediste longevidade, nem riquezas, nem a morte de teus inimigos; mas pediste entendimento, para discernires o que é justo; eis que faço segundo as tuas palavras: dou-te coração sábio e inteligente, de maneira que antes de ti não houve teu igual, nem depois de ti o haverá. Também até o que me não pediste eu te dou, tanto riquezas como glória; que não haja teu igual entre os reis, por todos os teus dias. Se andares nos meus caminhos e guardares os meus estatutos e os meus mandamentos, como andou Davi, teu pai, prolongarei os teus dias.” 1 Reis 3:5-14

 

INTELLECTUS

 Home