Dia do Maçom é Comemorado na ALERJ - Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro

(Por que e para que?! Quem se beneficia com isso?! )

Este vídeo só faz confimar o que temos asseverado em nosso website. Uma organização satânica e anti-Cristo infiltrada no seio da política brasileira.

"Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha"

SENHOR JESUS CRISTO, Lucas 11:23

"Para vocês, Soberanos Grandes Inspetores Gerais, nós dizemos isto, que vocês podem repetir para os irmãos dos graus 32, 31 e 30: A Religião Maçônica deve ser, por todos nós iniciados dos altos níveis, mantida na pureza da Doutrina Luciferiana"; "Sim, Lúcifer é Deus..."; "E a verdadeira e pura religião filosófica é a crença em Lúcifer, o igual de Adonai; Mas Lúcifer, Deus da luz e Deus do bem, está lutando pela humanidade contra Adonai, o Deus da escuridão e do mal." (Instructions to the 23 Supreme Councils of the World, Albert Pike, Grand Commander, Sovereign Pontiff of Universal Freemasonry, July 14, 1889)

Desde os primórdios de nossa história podemos detectar a presença rastejante da Maçonaria. A Independência do Brasil foi articulada pelos maçons com a finalidade de beneficiar a organização, enriquecendo-a, dando-lhe grande autoridade sobre o Brasil independente e, como sempre acontece, a Maçonaria realizou estas coisas beneficiando os ricos e os poderosos que escondia em suas câmaras escuras, com um descaso histórico para com os pobres e oprimidos. Os beneficiados foram a própria Maçonaria e seus interesses, não os interesses do Brasil. Basta que se analise a história da sociedade brasileira, desde seus primórdios, repleta de miséria, de dor e de sofrimento, porém sempre com uma elite se banqueteando em meio à miséria alheia. Isto também em razão dos horripilantemente desvantajosos negócios que o Brasil independente realizou com nações e bancos europeus, mantendo no poder uma elite muito bem alimentada, rica e gorda, às custas da enorme miséria do povo brasileiro (situação que, por incrível que pareça, persiste até hoje!).

Não é sem razão que o “Patriarca (pai) da Independência” tenha sido um maçom, cujo nome é sempre citado nos livros de História do Brasil: José Bonifácio de Andrada e Silva. Este indivíduo, nascido em Santos, São Paulo, em 1763, se tornou um dos mais poderosos homens do Brasil Império. Hábil político maçom, tinha grande influência sobre Dom Pedro I (também maçom) e conseguiu obter para si (e para a Maçonaria) o primeiro ministério brasileiro, o Ministério do Reino e dos Negócios Estrangeiros. O primeiro ministério brasileiro estava sendo entregue nas mãos da Maçonaria. Foi ele também quem se tornou o tutor do Príncipe herdeiro, Dom Pedro II. Em 1833 foi destituído da tutoria de Dom Pedro II, devido a um processo-crime instaurado contra ele por conspiração.¹

Após a homenagem ao Clube do Bolinha do Diabo (a Maçonaria), um coro cantou canções, e uma delas, aliás, bastante propícia ao evento: "Oh Happy Day" (Ó Dia Feliz!). A letra da canção diz: "Oh Happy Day! When Jesus washed my sins away " (Ó dia feliz! Quando Jesus lavou os meus pecados). A parte da canção onde se canta: "When Jesus washed my sins away" (Quando Jesus lavou os meus pecados) não aparece no vídeo.

Nesse vídeo da TV ALERJ, o Grão Mestre Maçom Eduardo Gomes de Souza expõe, de modo tranquilo (como se fosse algo completamente normal), como a Maçonaria (uma organização satânica e satanista) influenciou, de modo direto, o governo brasileiro (na época de Dom Pedro I, o qual era maçom) a romper com a Corte Portuguesa, permitindo assim que o governo desta nação passasse às mãos de membros da Maçonaria.

E reparem bem nas palavras do tal Mestre Maçom: “A Maçonaria não iniciou propriamente a proclamação da República no dia da reunião que aconteceu, aonde Gonçalves Ledo, José Bonifácio decidiram enviar a Dom Pedro. A Maçonaria iniciou o seu trabalho no momento do próprio fico...”

O site Brasil Escola traz a seguinte versão sobre a independência do Brasil:

“O povo brasileiro receava ficar sem o príncipe regente e como prova da confiança que depositava nele, escreveu-lhe uma carta pedindo-lhe que ficasse no Brasil como perpétuo defensor deste País, carta essa que lhe foi entregue por intermédio de José Clemente Pereira. D. Pedro respondeu à carta com uma frase que mais tarde se tornaria histórica: “Como é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto; diga ao povo que fico”, motivo porque o dia 9-1-1822 passou a ser chamado o dia do “Fico””. (Fonte: Brasil Escola)

Segundo essa versão, deduz-se que o movimento pela independência do Brasil teria sido um “movimento do povo brasileiro”. Todavia, com sua própria boca, o referido Mestre Maçom afirma: “A Maçonaria não iniciou propriamente a Proclamação da República no dia da reunião...”, confessando um autêntico complô para a tomada do poder no Brasil. Segundo as palavras do sr. Eduardo Souza, foi a Maçonaria quem iniciou a Proclamação da República, não o povo brasileiro.

E a trama foi tão bem sucedida a ponto de se refletir na própria bandeira brasileira.

"...A concepção da bandeira deve-se a Teixeira Mendes que a justificou no Diário Oficial do dia 24 de Novembro. O dístico "ORDEM E PROGRESSO' foi tido na época como influência do positivismo e durante algum tempo, julgou-se que o positivismo estivesse ligado à influência da Proclamação da República. Hoje nós sabemos que o mote em questão é assunto maçônico relativo a grau elevadíssimo e que o primeiro ministério formado era, quase em sua totalidade, constituído de Maçons." (Benoit Brito Mendes, mestre maçom).

*Apenas a título de observação, o referido Grão Mestre, em um momento do vídeo, troca a Proclamação da Independência pela Proclamação da República. Contudo, isto em nada afeta a óbvia conclusão dos fatos, quais sejam, a Maçonaria já vinha preparando o complô para a tomada do poder no Brasil desde antes da independência. A organização satânica (Maçonaria) esteve bem presente em ambas as situações.

Agora, perguntamos: O que tem esse tipo de atuação a ver com filantropia, uma vez que a Maçonaria se auto-intitula de “organização filantrópica”?

A verdade é que a Maçonaria brasileira nada mais é senão uma filial dos Illuminati, a Maçonaria internacional, o braço direito do diabo a fim de implantar a Nova Ordem Mundial e trazer ao mundo o governo da Besta.

"Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia. A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade." Apocalipse 13:1,2

Assista ao vídeo: Dia do Maçom na Alerj (Formato: Zip File. Formato de execução: Real media).

 

INTELLECTUS

Home