Wicca, o Satanismo e a Bruxaria em Contos de Fadas

Wicca, Baphomet, Bruxaria, Feitiçaria, Encantamentos, Magia, Mágica, Duendes, Bruxas, Gnomos, Fadas, Feitiços, Pactos, Diabo, Satanás, Satã, Witchcraft, Necromante, Necromancia, Astrologia, Tarõ, Runas, Celtas, Druidismo, Druidas, Thor, Odin, Aleister Crowley, Gerald Brosseau Gardner, Paganismo, Neo-Paganismo, Nova Era, Satanismo.

Particularmente, consideramos extremamente enfadonha a tarefa de comentar qualquer coisa que esteja relacionada ao Ocultismo, isto porque, frequentemente, os autores ocultistas se utilizam de um linguajar supostamente mágico e acessível somente a iniciados, o que os leva a elaborar enormes construções literárias para, por fim, afirmarem sempre a mesma coisa. Julgando-se possuidores de “conhecimentos secretos” perdem-se em cansativas fantasias e terminam em asseverações vulgares e inúteis, em todos os sentidos. O mais triste, porém, é que muitos deles realmente acreditam nesses simplórios devaneios. Todavia, os efeitos do envolvimento com o Ocultismo podem vir a ser extremamente letais.

Edward Alexander Crowley (Aleister Crowley) 1875 - 1947

Muito pouco é necessário a fim de se saber o que é Wicca, na realidade apenas mais uma das variegadas expressões do Satanismo. Todavia, para que se possa entender o porquê desta religião-filosofia atrair tantas pessoas às suas práticas, convém citarmos um dos mais ativos bruxos e depravados sexuais de que se tem notícia: Aleister Crowley. Aleister Crowley possuía uma notável coleção de envolvimentos com diversos segmentos e ramificações do Ocultismo. Era maçom, mágico, bruxo, espírita, cabalista, budista, além de escritor de obras de pornografia e usuário de drogas psicotrópicas, principalmente a Heroína. Não bastasse isso tudo, Crowley ainda gostava de ser chamado de A Grande Besta, em referência à Besta descrita no Livro do Apocalipse, apelido que lhe foi dado por sua própria mãe, devido ao comportamento esdrúxulo e nada adequado de Edward Crowley.

Durante uma viagem ao Egito, em 1904, sua mulher passou a apresentar um comportamento estranho, o que levou Crowley a acreditar que sua esposa estava tendo contato com uma entidade. Sob as orientações de sua mulher, Crowley passou então a invocar o deus egípcio Hórus, o qual lhe teria dito que uma nova era mágica havia se iniciado e que ele, Crowley, seria o profeta dessa nova era. Nesta sequência de eventos mediúnicos (satânicos) Aleister Crowley teria recebido, por intermédio de uma voz, ordens para editar um texto, o qual chamou de Liber AL vel Legis, ou Livro da Lei. A tal voz, segundo Crowley, afirmava ser Hórus, o deus egípcio da força e do fogo, filho de Ísis e de Osíris, deuses da mitologia egípcia. Este tal deus Hórus ainda lhe teria dito que a nova era mágica que acabava de se iniciar seria a era do deus da alegria e que os homens passariam a poder fazer tudo o que bem entendessem. Destas experiências espíritas e ocultistas é que surgiu, por boca de Aleister Crowley, uma frase que sintetiza todo o princípio diabólico sobre o qual se fundamentam todas as formas de Satanismo, incluindo a Wicca. Eis a tal frase:

“ Faça o que você quiser deverá ser o todo da lei ” (Aleister Crowley 1875-1947)

Nesta pequena e diabólica frase está resumido, como já dito acima, todo o princípio que rege todas as ramificações do Satanismo, incluindo a Wicca. Aliás, o autor desta frase é um dos pais da Wicca (termo de origem inglesa, associado à Witchcraft-Bruxaria, e que pode significar bruxo, bruxa ou bruxaria).

Paganismo, Neo-Paganismo e Wicca (Bruxaria)

O termo paganismo (do latim, paganus = “rural”) passou, desde os tempos do Império Romano, a significar “não cristão” e a apontar para práticas religiosas que envolvem o politeísmo e o animismo (de anima = alma; a crença de que “tudo tem uma alma”: Os seres humanos, os insetos, as pedras, plantas, o pó, etc.). Este conceito, o animismo, é um dos principais fundamentos do Hinduísmo, do Budismo e de diversas ramificações do Ocultismo, como o Holismo, por exemplo, além de servir de coadjuvante na elaboração das doutrinas da reencarnação e da transmigração da alma (Espiritismo e Hinduísmo). O animismo ainda é um dos mais fortes componentes originais de muitas religiões africanas e indígenas nos dias de hoje. O que atualmente se entende por Ecologia, possui este conceito sutilmente implícito (nem tão sutilmente assim), embora a esmagadora maioria das pessoas não se dê conta deste fato. Porém, ao ouvirmos expressões tais como “consciência ecológica”, “cidadania planetária” e outros termos afins, estamos bem diante do animismo, atualmente desejando dar a entender que “somos um com Gaia (ou Gaea)”, ou “Mãe Terra” ou “Mãe Natureza”. Esta é uma linguagem pagã em seu sentido mais intrínseco, porém adaptada à uma sociedade mais intelectualizada, como é o caso das sociedades dos países do ocidente. Esta adaptação (maquiagem) do animismo, e de todos os outros componentes do paganismo, é hoje chamada de Neo-Paganismo e é um dos fundamentos da Wicca. Trata-se, tão somente, da reedição do Paganismo de outras épocas. Os princípios são, exatamente, os mesmos.

Anteriormente citamos Aleister Crowley não somente porque suas idéias sumarizam, de modo bem objetivo, o Satanismo, mas também por ter sido esse indivíduo um dos que mais influenciaram o bruxo Gerald Brosseau Gardner (1884 - 1964), considerado por muitos com tendo sido o mais prolixo autor ocultista que tratou do assunto Wicca. Publicou, dentre outros, Witchcraft Today (Feitiçaria Hoje), em 1954 e The Meaning of Witchcraft (O Significado da Feitiçaria), em 1959. E como não poderia deixar de ser, Gerald Gardner foi buscar muito de seus conhecimentos ocultistas em uma das mais ricas fontes sobre o assunto, a Sociedade Rosacruz (AMORC), irmã legítima da Maçonaria de Lúcifer.

Wicca

Com já foi demonstrado anteriormente, Wicca provém de WItChCrAft (Bruxaria ou Feitiçaria), podendo significar bruxo, bruxa ou necromante.

É um sistema religioso-filosófico bastante florido e com diversas expressões de atividades, tais como a Numerologia, Astrologia, Necromancia, Runas, Tarõ, Terapias Holísticas (Cristaloterapia, Aromaterapia, Chakras, Do-In, Ayurveda, Bioenergética, Biorressonância, Iridologia, dentre outras). A Wicca é como uma espécie de balcão de quinquilharias do diabo, com produtos para todos os gostos e apetites. E cada vez mais se dissipam as linhas imaginárias e as atividades práticas que subcategorizam o New Age - Movimento Nova Era (Cidadania Ecológica, Tarô, Yoga, Mantras, Mapas Astrais, Gurus, Esoterismo, Espiritismo, jogo de Búzios, pirâmides, cristais, numerologia, Gnose, Teosofia, Acupuntura, Homeopatia, Channellins, Sincretismos, busca interior, magia, adivinhações, etc.) e a Wicca, e isto apenas para finalidades de estudo, uma vez que, em essência, são a mesma coisa. O que sustenta um, também é o que sustenta o outro. O que um ensina, também é ensinado pelo outro.

O seu aspecto mais nefasto, da Wicca (e também do Movimento Nova Era), é o de trazer em todo o conjunto de suas expressões e atividades, o princípio satânico da “independência de Deus” que se expressa, na prática, em se buscar fazer tudo aquilo o que se deseja e fugir de todas as advertências de Deus sobre as consequências da prática do pecado, razão pela qual rejeitam, e de modo enfático, o Evangelho do Senhor Jesus Cristo, preferindo servir e adorar falsos deuses, como Diana, a deusa da fertilidade e o deus chifrudo, que afirmam ser seu consorte. Falsos deuses não se lhes interporão nos percursos em busca de seus deleites, muito pelo contrário, pois o diabo é o maior promotor de pecados da História, ainda que se camufle atrás de “deuses”, como ele tem feito ao longo da história da humanidade. Seu objetivo permanece o mesmo: Matar e destruir (cf. João 10:10).

Este marcante componente da Wicca, ou seja, o da valorização dos aspectos sensuais de sua religião-bruxaria-filosofia, os leva a apelar para uma suposta inter-relação entre deuses masculinos e femininos, onde o aspecto “sexual” de seus deuses não é nada negligenciado. Aliás, isto não é nada de novo, pois outros povos de tempos muito remotos também já salientavam estes aspectos sexuais de (falsas) divindades. Um dos mais famosos falsos deuses de outras épocas era Baco (ou Dionísio), o deus da sensualidade e das orgias, e não precisamos de muito esforço mental para imaginarmos como eram os cultos de adoração a Baco. Daí a origem da palavra “bacanal” (orgia sexual).

A figura abaixo, uma ilustração Wicca com forte teor pornográfico representando o deus Cernunnos, nos pode dar uma idéia do valor que a religião-filosofia Wicca dá à liberdade sexual. Termos como "fertilidade", "amor" e "prazer sexual" se encontram, frequentemente, mesclados e fundidos na literatura Wicca. 

Diante deste fato podemos entender um pouco melhor o que se passava na mente de homens como Aleister Crowley quando ele, um depravado sexual e promotor do Ocultismo, escreveu:

"Homens e mulheres nunca se comportarão de um modo que valha a pena enquanto a moralidade interferir com a legítima satisfação de suas necessidades fisiológicas". (Aleister Crowler's Confession; página 80).

Aqui um comentário: A prática ou atividade sexual não é e nunca foi uma "necessidade fisiológica". Por definição, necessidades fisiológicas são aquelas sem as quais o corpo humano não sobrevive, como por exemplo, comer, beber, dormir, defecar ou urinar. Há muitas pessoas que morreram virgens, e que viveram uma vida completamente normal, sob o aspecto médico e fisiológico. Isto sem falar das pessoas que perderam suas funções sexuais devido a acidentes mutilantes, câncer dos órgãos sexuais, transtornos psiquiátricos, doenças infecciosas, metabólicas, neurológicas, etc. Pessoas as quais vivem normalmente, pois a atividade sexual não é uma necessidade fisiológica. Este conceito pseudocientífico (falsa ciência) de que a prática sexual seria uma necessidade fisiológica, teve grande suporte graças ao tenebroso legado do pai da Psicanálise, o judeu, convertido ao Ateísmo, Sigmund Freud, o qual afirmava que as "energias sexuais" (ou pulsões sexuais) reprimidas seriam a fonte e a origem de problemas psicológicos os quais ele chamava de Neuroses. Até mesmo este termo, Neurose, já foi praticamente banido da literatura psiquiátrica moderna, pois tecnicamente, possui muito pouco valor, assim como, em nossa opinião, todo o trabalho de Sigmund Freud, cuja obra foi desenterrada na década de sessenta a fim de suportar novos conceitos e novas publicações filhas da chamada Revolução Sexual, pois para seus arquitetos, não seria nada mal dar um "tom científico" para a devastadora imoralidade que se alastra, ainda hoje, pelo mundo todo, e de modo crescente. E as obras de Freud, com seus conceitos de "necessidade de liberação sexual", serviram como uma luva. Lembrando ainda que, desde o início da publicação de sua Teoria Psicanalítica, Freud foi fortemente rechaçado pela comunidade científica de sua época. Teria, muito provavelmente, tido um papel pra lá de secundário na Psicologia, não fosse a deliberada exumação de sua obra nas décadas de 50 e 60 e sua difusão e exaltação em Hollywood e na mídia entusiasta da liberação sexual. Freud morreu em 1939.

Para os Wiccans (praticantes da Wicca) o que entendem por divindade é algo “bipolar”, representado por um deus chifrudo macho (Cernunnos, o da ilustração acima) e pela deusa, o suposto “aspecto feminino” do que entendem por divindade.

Conceitos e Concepções da Religião-Filosofia-Bruxaria Wicca

- O homem é uma divindade. Dizem eles: "Você é deus e você é deusa"

- A vida é para ser vivida em prazeres

- Pela iniciação a mente adquire poderes mágicos

- Negam o Evangelho do Senhor Jesus Cristo

- Não aceitam que exista pecado

- O diabo não existe

- Celebram os solstícios e os equinócios

- Praticam a adivinhação

- A arte é uma religião

-Etc, etc, etc...

O Satanismo e a Bruxaria em Contos de Fadas

Demos ao título deste estudo o nome de Wicca, o Satanismo e a Bruxaria em Contos de Fadas, e isto porque é notável o esforço que muitos Wiccans desprendem em tentativas de camuflar ou de maquiar o que está, realmente, por trás desta religião-filosofia-bruxaria. Todavia, acreditamos que, sendo cegos espirituais por não se terem submetido ao Senhor Jesus Cristo, a Luz do mundo, muitos deles realmente acreditam nas fantasias e nos devaneios que mascaram o agressivo componente satânico da Wicca. Porém, estamos convencidos de que muitos praticantes de bruxaria sabem, e muito bem, que rejeitam o Evangelho de Cristo por causa da reprovação do mal e das solenes advertências de Deus sobre as terríveis consequências, temporais e eternas, do pecado. Também o fazem, isto é, o rejeitam, porque o Evangelho solicita ao homem um compromisso de fidelidade a Deus, o que, evidentemente, coloca Deus não somente como o alvo de toda a existência, bem como o coloca em primeiro lugar em nossas vidas, algo que contraria a tão almejada "liberdade de ação" ensinada na Wicca. Para esta última, o homem é uma divindade livre, unida de forma mística à natureza e ao cosmo, possuindo supostos poderes de criação e de interferência no "destino da existência". Assim como Satanás desejou, de modo rebelde, ser ele próprio um deus, imitando o Criador, os satanistas, seus seguidores, também desejam ser deuses de suas existências, como se não houvesse um Criador e Juiz a quem teremos de prestar contas. As seguintes palavras de Aleister Crowley bem expressam esta louca pretensão:

“Faça o que você quiser deverá ser o todo da lei.” (Aleister Crowley)

E aqui o expresso ódio a Deus:

"Se alguém for levar a Bíblia a sério, certamente ficará maluco. Mas para levar a Bíblia a sério, a pessoa já deve ser louca."

(Aleister Crowley 1875-1947)

Estes conceitos diabólicos são, como já dito, camuflados pela Wicca através de poemas esotéricos, de estranhas inquirições históricas que frequentemente aludem a povos de outras épocas, como os Celtas e sua religião, o Druidismo, os nórdicos escandinavos com seus deuses Thor e Odin, além de todo aquele bazulaque de duendes, gnomos, fadas, danças na lua cheia, e afins, como se tudo isso fosse "apenas uma inocente celebração da natureza". Satanás é o pai de toda sorte de bruxarias, feitiçarias e ocultismo. Lúcifer é inimigo de Deus e assassino de seres humanos, donde se conclui que a Wicca é mais um dentre os muitos caminhos que levam ao mais profundo do inferno.

"Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti. Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus. Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa." Deuteronômio 18:9-14

INTELLECTUS

Home